facebook INSTA

Mostra Permanente de Cinema Italiano da UMES já tem data para voltar em 2019

italiano2019

 

E a espera finalmente acabou: a Mostra Permanente de Cinema Italiano da UMES já tem data e hora para voltar. O projeto, que segue para sua quarta edição, abrirá o ano no dia 11 de fevereiro reprisando o filme 1900, em homenagem ao diretor Bernardo Bertolucci, falecido em novembro do ano passado.

 

A Mostra de 2019 vem cheia de novidades e propõe bastante diversidade nos estilos cinematográficos entre os 41 filmes que serão exibidos no decorrer do ano, além de apresentar 6 novos diretores na programação, sendo eles Florestano Vancini, Luca Miniero (diretor de “Bem Vindo Ao Sul”, o filme mais visto na Itália em 2010), Luciano Salce, Mario Mattoli e a dupla Alfredo Guarini e Gianni Franciolini, que vão dividir a direção com os icônicos Rossellini, Visconti e Luigi Zampa em “Nós, As Mulheres” (1953).

 

Os filmes vão continuar sendo exibidos no Cine-Teatro Denoy de Oliveira (Rua Rui Barbosa, 323 - Bela Vista), sempre às segundas-feiras, às 19 horas, com entrada grátis. E o clássico chá também vai continuar, ainda bem.

 

 

PROGRAMAÇÃO DE 2019

 

(11/02) 1900 - PARTE 1 - Bernardo Bertolucci (1976), 162 min.

(18/02) 1900 - PARTE 2 - Bernardo Bertolucci (1976), 154 min.

(25/02) O CONFORMISTA - Bernardo Bertolucci (1970), 113 min.

(11/03) GAVIÕES E PASSARINHOS - Pier Paolo Pasolini (1966), 89 min.

(18/03) OS NOVOS MONSTROS - Risi, Monicelli, Scola (1977), 115 min.

(25/03) FALA-ME DE MULHERES - Ettore Scola (1964), 107 min.

(01/04) A MAIS BELA NOITE DA MINHA VIDA - Ettore Scola (1972), 106 min.

(08/04) QUE HORAS SÃO? - Ettore Scola (1989), 97 min.

(15/04) A MARCHA SOBRE ROMA - Dino Risi (1962), 94 min.

(22/04) O VIÚVO - Dino Risi (1959), 87 min.

(29/04) PÃO, AMOR E... - Dino Risi (1955), 106 min.

(06/05) A NOITE DO MASSACRE - Florestano Vancini (1960), 105 min.

(13/05) OJUÍZO UNIVERSAL - Vittorio de Sica (1961), 101 min.

(20/05) O OURO DE NÁPOLES - Vittorio de Sica (1954), 138 min.

(27/05) VÍTIMAS DA TORMENTA - Vittorio de Sica (1946), 90 min.

(03/06) BEM-VINDO AO SUL - Luca Miniero (2010), 102 min.

(10/06) NÓS, AS MULHERES - Rossellini, Visconti, Zampa, Franciolini, Guarini (1953), 95 min.

(17/06) VIAGEM À ITÁLIA - Roberto Rossellini (1954), 85 min.

(24/06) A MÁQUINA DE MATAR PESSOAS MÁS - Roberto Rossellini (1952), 80 min.

(01/07) O AMOR - Roberto Rossellini (1948), 79 min.

(08/07) FANTOZZI - Luciano Salce (1975), 108 min.

(15/07) E LA NAVE VA - Federico Fellini (1983), 132 min.

(22/07) GINGER E FRED - Federico Fellini (1986), 125 min.

(29/07) A VOZ DA LUA - Federico Fellini (1990), 120 min.

(05/08) O HOMEM DAS ESTRELAS - Giuseppe Tornatore (1995), 113 min.

(12/08) CONFISSÕES DE UM COMISSÁRIO DE POLICIA AO PROCURADOR DA REPÚBLICA - Damiano Damiani (1971), 101 min.

(19/08) POR AMOR OU POR VINGANÇA - Damiano Damiani (1970), 108 min.

(26/08) PASQUALINO SETE BELEZAS - Lina Wertmüller (1975), 116 min.

(02/09) A PEQUENA ORFÃ - Lina Wertmüller (2001), 125 min.

(09/09) SÁBADO, DOMINGO E SEGUNDA - Lina Wertmüller (1990), 119 min.

(16/09) EU NÃO TENHO MEDO - Gabriele Salvatores (2003), 108 min.

(23/09) CONFUSÕES À ITALIANA - Pietro Germi (1966), 118 min.

(30/09) O HOMEM DE PALHA - Pietro Germi (1958), 108 min.

(07/10) CIÚME - Pietro Germi (1953), 86 min.

(14/10) A LENDA DO SANTO BEBERRÃO - Ermanno Olmi (1988), 128 min.

(21/10) O TEMPO PAROU - Ermanno Olmi (1959), 83 min.

(28/10) OS CAMPOS VOLTARÃO - Ermanno Olmi (2014), 80 min.

(04/11) MISÉRIA E NOBREZA - Mario Mattoli (1954), 94 min.

(11/11) CRISTO PAROU EM ÉBOLI - Francesco Rosi (1979), 150 min.

(18/11) TRÊS IRMÃOS - Francesco Rosi (1981), 113 min.

(25/11) VAGAS ESTRELAS DA URSA - Luchino Visconti (1965), 105 min.

(02/12) BELÍSSIMA - Luchino Visconti (1951), 114 min.

 

 

Confira os diretores que serão apresentados na Mostra:

 

Mario Mattoli (1898-1980)

Nascido em Tolentino, Macerata, fundou a companhia teatral Spettacoli Za-bum com o objetivo de misturar o humor dos atores de revista ao drama dos atores da prosa. Por lá, passaram nomes que se tornariam muito conhecidos, como Vittorio de Sica, Alberto Sordi e Aldo Fabrizi. Em 1934, fez sua estreia como diretor de cinema em "Tempo Massimo", cujo roteiro foi escrito também por ele e estrelado por Vittorio De Sica. Em seus 32 anos de carreira, dirigiu mais de 80 longas-metragens, firmando uma parceria de sucesso com Totò, com quem realizou 16 filmes.

Entre suas obras mais conhecidos estão "Dramas da Nobreza" (1938), "Aulas de Amor" (1941), "O Grito da Carne" (1948), “O Turco Napolitano”, (1953), “Miséria e Nobreza” (1954) e “O Médico dos Loucos” (1954).  

 

Luca Miniero (1967)

Formado em Literatura Moderna, o napolitano Luca Miniero começou seu trabalho dirigindo campanhas para a TV. Seu primeiro filme, "Piccole Cose Di Valore Non Quantificable" (1999), um curta feito em parceria com o amigo Paolo Genovese, chamou atenção da crítica para o novo diretor que surgia. Luca Miniero se estabeleceu no gênero da comédia. Em 2002, seu primeiro longa-metragem "Incantesimo Napoletano", também em parceria com Paolo Genovese, ganhou um David di Donatello e dois prêmios no Globo de Ouro da Itália. Em 2010, o diretor produz seu primeiro trabalho solo, “Bem-Vindo ao Sul” foi sucesso de bilheteria e o filme mais assistido na Itália naquele ano, façanha que ele volta a conquistar em 2012 com a sequência "Bem-Vindo ao Norte". Dirigiu também "La scuola più bella del mondo" (2014), "Un boss in salotto" (2014) e "Sono tornato" (2018).

 

Alfredo Guarini (1901-1981)

Nascido em Gênova, dirigiu a maioria dos seus filmes durante os anos 40 e 50. Fundou em 1934 a empresa “Tirena Filmes” onde trabalhou com diretor e produtor. Dirigiu o primeiro episódio de  “Nós, as Mulheres", "Quatro Atrizes e Uma Esperança". É produtor de “Documento Z3”(1942) , “As Paredes de Malapaga” (1949, René Clement), “Romance na Itália” (1954, Roberto Rossellini).

 

Gianni Franciolini (1910-1960)

Gianni nasceu em Florença. Começou a frequentar os espaços cinematográficos desde muito cedo, indo a Paris em 1930 para ser assistente dos diretores Eugène Deslaw e Georges Lacombe. Voltou à Itália em 1938 colaborando como roteirista e também assistente de direção de icônicos diretores como Camillo Mastrocinque e Mario Soldati. Seu primeiro trabalho autoral foi o longa-metragem “Inspetor Vargas“ (1940), gravando em seguida “Faróis no Nevoeiro“ (1942), sendo considerado um dos filmes que abriram o caminho para o neorrealismo. Franciolini também assinou grandes obras como “A Noiva Não Pode Esperar“ (1949), “Bom Dia, Elefante“ (1952) e “Nós, As Mulheres“ (1953), em que divide a direção com Roberto Rossellini, Luchino Visconti, Luigi Zampa e Alfredo Guarini.

 

Florestano Vancini (1926-2008)

Após alguns curtas e colaboração com os diretores Mario Soldati (1906-99) e Valerio Zurlini (1926-82), Vancini realizou em 1960 seu primeiro longa-metragem, "La Lunga Notte del ‘43", que revive o massacre de 11 resistentes pelas brigadas fascistas da República de Salò. Com roteiro de Pier Paolo Pasolini (1922-1975), adaptado da coletânea “Cinco Histórias de Ferrara”, de Giorgio Bassani, o filme recebeu indicação para o Prêmio Primeira Obra e o Leão de Ouro, no 21º. Festival de Veneza. Vancini dirigiu 15 longas, entre os quais, "La Calda Vita" (1963); "Le Stagioni del Nostro Amore" (1965), que obteve o Prêmio da Crítica no Festival de Berlim; "Dio E’ Com Noi" (1970); "Bronte" (1972); "Il Delitto Matteotti" (1973); "Amore Amaro" (1974); "Un Dramma Borghese" (1983). Nos anos 1980, realizou séries para televisão: "La Neve nel Bicchiere" (1984) - história de três gerações de camponeses da planície ferrarense, sua terra natal - e "Lettera dal Salvador" (1987), telefilme político sobre médico francês em El Salvador no período da guerra civil, para a série francesa "Médecins des Hommes".

 

Bernardo Bertolucci (1941-2018)

Filho do poeta e crítico de cinema Attilio Bertolucci, Bernardo Bertolucci nasceu em Parma. Começou cedo, ainda no final dos anos 50, quando realizou seus primeiros curta-metragens em 1959 e 1960. Em 1961, frequentou a Universidade de Roma onde começou o curso de Literatura Moderna após trabalhar como assistente de direção em "Accattone", de Pier Paolo Pasolini. Estreou como diretor em 1962 com o longa "A Morte".

Conhecido por sua versatilidade, Bertolucci tem entre suas obras "Antes da Revolução" (1964); o clássico "O Conformista" (1970), livre adaptação do livro homônimo de Alberto Moravia; o polêmico "O Último Tango em Paris" (1972), com Marlon Brando e Maria Schneider; o épico "1900", conhecido como o mais grandioso filme de sua carreira. Também se destacam, o multipremiado "O Último Imperador" (1987), "O Céu que Nos Protege" (1990) e "Os Sonhadores" (2003).

 

Roberto Rosselini (1906-1977)

Nascido em Roma, Roberto Rossellini realizou, em 1945, a obra tida como marco zero do neorrealismo, movimento que influenciou as correntes estéticas do pós-guerra, desde Godard e Satyajit Ray até o Cinema Novo brasileiro. Seu pai era proprietário do cine-teatro Barberini. Nos anos 30, quando a família teve os bens confiscados pelo governo fascista, Rossellini ganhou a vida na indústria cinematográfica e chegou a obter sucesso com filmes encomendadas pelo regime. Ao mesmo tempo, registrava em segredo as atividades da Resistência. Nos últimos dias da ocupação nazista, o diretor levou a câmera às ruas para captar a insurreição popular que libertou a cidade em junho de 1944. Nascia o clássico “Roma, Cidade Aberta” (1945), baseado no roteiro que criou em parceria com Sergio Amidei e Federico Fellini.

Entre suas obras estão “Paisá” (1946), “Alemanha Ano Zero” (1948), “Stromboli” (1949), “Europa 51” (1952), “Romance na Itália” (1953), “Joana D’Arc (1954), “Índia: Matri Bhumi” (1959), “De Crápula a Herói” (1959), “Era Noite em Roma” (1960).

Nos anos 60-70, com foco na TV, fez filmes sobre personagens históricos, a começar por Giuseppe Garibaldi, “Viva a Itália” (1961). Nesta safra se incluem “A Tomada do Poder por Luís XIV” (1966), “Sócrates” (1971), “Blaise Pascal” (1971), “Santo Agostinho” (1972),   “Descartes” (1974), “Anno Uno” (1974), “O Messias” (1975).

 

Pier Paolo Pasolini (1922-1975)

Poeta, escritor e cineasta, Pasolini nasceu em Bolonha. Compôs os primeiros poemas em dialeto friulano, "Poesia a Casarsa" (1942). Seus romances "Vadios" (1954) e "Uma Vida Violenta" (1959) lhe asseguraram o êxito literário. Dirigiu, entre 1955 e 1959, a revista Officina, escrevendo depois roteiros cinematográficos e realizando vários filmes, entre os quais "Accattone" (1961), "Mamma Roma" (1962), "O Evangelho Segundo Mateus" (1964), "Gaviões e Passarinhos" (1966), "Édipo Rei" (1967), "Teorema" (1968), "Medeia" (1969), "Pocilga" (1969), "Decameron" (1971), "Salò ou os 120 Dias de Sodoma" (1975). Repudiado pelo Vaticano, quando foi lançado em 1964 no Festival de Veneza, "O Evangelho Segundo Mateus" foi reabilitado em 2014, um ano após a posse do Papa Francisco, como "o melhor filme já feito sobre a vida de Jesus Cristo".

 

Pietro Germi (1914-1974)

Nascido em Gênova, filho de um operário e uma costureira, Pietro Germi estudou teatro e direção em Roma no Centro Experimental de Cinematografia. Durante os estudos trabalhou como ator, assistente de direção e roteirista. Colaborou em grande parte dos roteiros dos filmes que dirigiu, e inclusive atuou em alguns deles. Após alcançar sucesso com dramas populares de corte neorrealista, passou a escrever e dirigir comédias satíricas. Tem entre suas obras "A Testemunha" (1945); "Em Nome da Lei" (1949); "Caminho da Esperança" (1950); "O Ferroviário" (1956); "O Homem de Palha” (1957); "Divórcio à Italiana" (1961), premiado com o Oscar de Melhor Roteiro Original; "Seduzida e Abandonada" (1963) e "Confusões à Italiana" (1966), premiados no Festival de Cannes e, na Itália, com o David di Donatello.

 

Luciano Salce (1922-1989)

Luciano Salce nasceu e morreu em Roma. Foi ator, diretor e cineasta, tendo se formado na Regia Accademia di Arti Drammatica, em Roma, atuou como assistente de direção para Vito Pandolfi e Luchino Visconti no final da década de 1940. Já em 1950, Salce, sendo um jovem italiano, vem para o Brasil dirigindo importantes trabalhos para o Teatro Brasileiro de Comédia, o TBC, como “A Dama das Camélias”, de Alexandre Dumas Filho, realizado em 1951, no Theatro Municipal de São Paulo, estrelado pela icônica atriz Cacilda Becker.

Salce assina seu primeiro trabalho cinematográfico para a companhia Vera Cruz como diretor da comédia “Uma Pulga na Balança” (1953), ainda no Brasil. Voltando pra Itália em 1954, dirige filmes como “As Pílulas do Amor” (1960) e “Fantozzi” (1975).

 

Francesco Rosi (1922-2015)

Nascido em Nápoles, o cineasta Francesco Rosi estudou Direito. No início dos anos 40 trabalhou no rádio como jornalista. Ingressou na indústria cinematográfica em 1948, foi assistente de vários cineastas, entre os quais Luchino Visconti com quem fez “La Terra Trema” (1948), “Belíssima” (1951) e “Senso” (1956). Sua carreira de diretor, marcada por obras de grande empenho social e político, começou em 1958 com “O Desafio”. Tem entre seus filmes grandes sucessos como “O Caso Mattei” (1972), “Lucky Luciano” (1973) e “Cadáveres Ilustres” (1976). Recebeu o Urso de Prata de Melhor Diretor em 1962 por “Bandido Giuliano” e o Prêmio de Ouro do 11° Festival de Moscou (1979) por “Cristo Parou em Eboli”. Em 2008 foi homenageado no Festival de Berlim com um Urso de Ouro pelo conjunto da obra.

 

Vittorio De Sica (1901-1974)

Diretor, ator, escritor e produtor, Vittorio De Sica nasceu em Sora, mas cresceu em Nápoles e começou a trabalhar cedo como auxiliar de escritório, para sustentar a família. Sua paixão pelo teatro levou-o aos palcos. Ao final da década de 20, ele fazia sucesso como ator. Em 1933, montou sua própria companhia.

De Sica voltou-se para o cinema em 1940. Ao amadurecer, tornou-se um dos fundadores do neorrealismo, emplacando uma sequência de quatro clássicos que figuram em todas as antologias: “Vítimas da Tormenta” (1946), “Ladrões de Bicicletas” (1948), “Milagre em Milão” (1950), “Humberto D” (1951) – os dois primeiros realizados em parceria com o escritor Cesare Zavattini, outro papa do movimento. Também dirigiu "O Juízo Universal" (1961), “La Rifa” (1962, episódio de “Decameron 70”), “Ontem, Hoje, Amanhã” (1963), “O Ouro de Nápoles” (1964), “Matrimônio à Italiana" (1964), “Girassóis da Rússia” (1970), “Jardim dos Finzi-Contini” (1970), “Amargo Despertar” (1973).

 

Ettore Scola (1931-2016)

Ettore Scola nasceu em Trevico, Itália. Ingressou na indústria cinematográfica como roteirista em 1953. Escreveu para Steno ("Um Americano em Roma", 1954), Luigi Zampa ("Gli Anni Ruggenti", 1962), Dino Risi ("Il Sorpaso", 1962). Dirigiu seu primeiro filme, "Vamos Falar Sobre as Mulheres", em 1964. Obteve reconhecimento internacional com "Nós Que Nos Amávamos Tanto" (1974), um tocante painel da Itália do pós-guerra. Em 1976, ganhou o Prêmio de Melhor Direção no 29º. Festival de Cannes, com "Feios, Sujos e Malvados". Desde então, realizou vários filmes de sucesso, incluindo "Um Dia Muito Especial" (1977), "Casanova e a Revolução" (1982), "O Baile" (1983), “Splendor” (1987), "O Jantar" (1998), "Concorrência Desleal" (2000). Em 2011 dirigiu “Que Estranho se Chamar Federico”, uma homenagem ao amigo Federico Fellini.

 

Dino Risi (1916-2008)

Dino Risi nasceu em Milão, estudou medicina, formou-se em psiquiatria. Foi crítico de cinema, roteirista, trabalhou como assistente de Mario Soldati e Alberto Lattuada. Nos anos 50 se instalou em Roma, se tornando um dos grandes inventores da commedia all'italiana, ao lado de Ettore Scola, Mario Monicelli e Pietro Germi. Dirigiu 54 filmes, entre os quais "Férias com o Gangster" (1951), "O Signo de Venus" (1955), "Belas, mas Pobres" (1956), "Essa Vida Dura" (1961), "Aquele que Sabe Viver" (1962), "Operação San Genaro" (1966), "Esse Crime Chamado Justiça" (197 1). "Perfume de Mulher" valeu a Vittorio Gassman o grande prêmio de interpretação masculina no Festival de Cannes de 1975. Em 2002, recebeu um Leão de Ouro, no Festival de Veneza, pelo conjunto da obra.

 

Gabriele Salvatores (1950)

Nascido em Nápoles, Gabriele Salvatores começou pelo teatro. No ano de 1972 fundou em Milão o Teatro dell'Elfo. Em 1983, dirigiu seu primeiro filme "Sonhos de Uma Noite de Verão", baseado na peça de Shakespeare. Em 1989 voltou-se exclusivamente para o cinema. Trabalhou em parceria com Diego Abatantuono e Fabrizio Bentivogli, atores que junto com o cineasta fizeram história no cinema italiano. Em 1991, dirigiu  "Mediterrâneo", Oscar de Melhor Filme Estrangeiro. Realizou também "Turné" (1990), a comédia "Puerto Escondido" (1992),"Sul" (1993),"Nirvana" (1997) , "Eu Não Tenho Medo" (2003),  "Como Deus Manda" (2008), "Educação Siberiana" (2013), "Il Ragazzo Invisible" (2015).

 

Damiano Damiani (1922-2013)

Nasceu na pequena cidade de Pasiano di Pordenone, estudou na Academia de Belas Artes de Brera, em Milão. Seu primeiro longa-metragem foi o policial "O Batom", de 1960. Sem restringir-se a um gênero específico, tornou-se mais conhecido por seus filmes sobre a máfia, como “Pizza Conection” (1985), indicado ao Urso de Ouro no Festival de Berlim.

Dirigiu também "A Ilha dos Amores Proibidos" (1962), "Vidas Vazias" (1963), "Gringo" (1967), "Dia da Coruja" (1968), "Confissões de um Comissário de Polícia ao Procurador da República" (1971) e a minissérie para TV "La Piovra" (1984), entre outros. Seu último filme foi a comédia "Assassini dei Giorni di Festa", em 2002, estrelado pela espanhola Carmem Maura, uma das atrizes mais populares da Europa.

 

Giuseppe Tornatore (1956)

Nascido na Sicília, Tornatore atuou no teatro, foi fotógrafo free-lance e trabalhou na TV estatal italiana, a RAI. Lançou seu primeiro longa-metragem em 1985: "O Camorrista". Em 1988, obteve sucesso mundial e o Oscar de Melhor Filme Estrangeiro com "Cinema Paradiso". Dirigiu também "Estamos Todos Bem" (1990), "Sempre aos Domingos" (1991), "Uma Simples Formalidade" (1994), "O Homem das Estrelas" (1995), "A Lenda do Pianista do Mar" (1998), "Malena" (2000), "A Desconhecida" (2006), "Baaria, A Porta do Vento" (2009), "O Melhor Lance" (2013), “Lembranças de um Amor Eterno" (2016).

 

Ermanno Olmi (1931-2018)

Nascido em Bergamo, Ermanno Olmi começou em 1953 a dirigir documentários e curtas. Seu primeiro longa foi "O Tempo Parou" (1959). Dois anos depois, "O Posto" (1961) rende a Olmi o prêmio David di Donatello de Melhor Diretor. Em 1978, "A Árvore dos Tamancos" ganhou 18 prêmios, entre eles a Palma de Ouro e o Prêmio do Júri Ecumênico, em Cannes, e o César de Melhor Filme Estrangeiro, na França.  

Ermanno Olmi também dirigiu "Camminacammina" (1983), "A Lenda do Santo Beberrão" (1988), "O Segredo do Bosque Velho" (1993), "O Objetivo das Armas" (2001) e "Tickets" (2005), em parceria com o iraniano Abbas Kiarostami e o inglês Ken Loach. Apesar da saúde debilitada, lançou em 2014 mais um filme de sucesso, "Os Campos Voltarão".

 

Mario Monicelli (1915-2010)

Crítico cinematográfico desde 1932, de 1939 a 1949 colaborou em cerca de 40 filmes, como argumentista, roteirista e assistente de direção. O começo de seu trabalho como diretor ocorre em 1949, em parceria com Stefano Vanzina, em "Totò Cerca Casa". A colaboração dos dois diretores deu origem a oito filmes, dentre os quais os célebres "Guardie e Ladri" (1951) e "Totò a Colori" (1952). Em 1953 inicia o trabalho solo. "Os Eternos Desconhecidos" (1958), com elenco composto por Vittorio Gassman, Marcello Mastroianni, Totò e Claudia Cardinale, é considerado o primeiro do filão da commedia all`italiana. Em 1959, "A Grande Guerra" ganhou o Leão de Ouro do Festival de Veneza e rendeu sua primeira indicação ao Oscar. A segunda viria em 1963, com "Os Companheiros". Diversas outras películas merecem destaque, em sua carreira de mais de 60 filmes: “O Incrível Exército de Brancaleone” (1966), “Meus Caros Amigos” (1975), “Um Burguês Muito Pequeno” (1977), “Quinteto Irreverente” (1982).

 

Lina Wertmüller (1928)

Nascida em Roma, Arcangela Felice Assunta Wertmüller von Elgg Spanol von Braucich estudou teatro e trabalhou como assistente de direção de Giorgio Lullo nos anos 50. No cinema, foi assistente de Federico Fellini em “Oito e Meio” (1963). Estreou como diretora com “I Basilischi” (1963). Em 1965 dirigiu o filme em episódios “Questa Volta Parliamo di Uomini” e para a televisão “Il Giornalino di Gian Burrasca”, adaptação do romance homônimo de Vamba. Assinou outros dezessete longa-metragens, entre os quais “Mimi, o Metalúrgico" (1972), “Amor e Anarquia” (1973), “Pasqualino Sete Belezas” (1975), "Sábado, Domingo e Segunda" (1990), "Ninfa Plebeia" (1996). Em 2001 lançou "A Pequena Orfã", telefilme estrelado por Sofia Loren, extraído do romance homônimo da escritora napolitana Maria Orsini Natale.

 

Federico Fellini (1920-1993)

Nascido e criado em Rimini, região da Emilia-Romagna, Fellini se mudou para Roma, em 1939, e começou a ganhar a vida escrevendo e desenhando caricaturas na revista semanal Marc´Aurelio – vários desses textos foram adaptados para uma série de programas de rádio sobre os recém casados “Cico e Paullina”. Estreou no cinema, em 1942, redigindo histórias o para o comediante Aldo Fabrizzi. Em 1943, casou-se com a atriz Giulietta Masina – vencedora no Festival de Cannes pela participação em “Noites de Cabíria”, filme dirigido pelo próprio Fellini em 1957. A partir de 1 945, colaborou intensamente como roteirista com três dos principais criadores do movimento neorrealista (Roberto Rossellini, Alberto Lattuada, Pietro Germi), antes de desenvolver um estilo alegórico e barroco que se tornou sua marca registrada.

Fellini participou da elaboração de 51 roteiros e dirigiu 25 filmes, entre os quais “Os Boas Vidas” (1953), “Estrada da Vida” (1954), “Noites de Cabíria” (1957), “A Doce Vida” (1960), “8½” (1963), “Roma” (1972)”, “Amarcord” (1973), “Ensaio de Orquestra” (1978). “E La Nave Va” (1983).

 

Luchino Visconti (1906-1976)

Luchino Visconti di Modrone, conde de Lonate Pozzolo, nasceu em Milão e descende da família Visconti da antiga nobreza italiana. Começou seu trabalho no cinema como assistente do diretor francês Jean Renoir nos filmes “Toni” (1934), “Les Bas-Fonds” (1936), "Partie de Campagne" (1936). Ingressou no Partito Comunista d'Italia em 1942. Seu primeiro filme como diretor foi "Obsessão" (1943). Voltou-se em seguida para o teatro. Em 1948, realizou “La Terra Trema”, um clássico do cinema neorrealista. Recebeu sua primeira premiação no Festival de Veneza (Leão de Prata), em 1957, pelo filme "As Noites Brancas" - baseado em conto de Fiodor Dostoievski. Em 1960, chega aos cinemas "Rocco e Seus Irmãos" e, em 1963, o mais aplaudido de seus trabalhos, "O Leopardo", adaptação do romance de mesmo nome de Giuseppe Tomasi di Lampedusa. Depois vieram “As Vagas Estrelas da Ursa” (1965), “O Estrangeiro” (1967), “Os Deuses Malditos” (1969), "Morte em Veneza" (1971), "Ludwig" (1972), "Violência e Paixão" (1974) e "O Intruso" (1976).

Visconti assina também a direção de 42 peças teatrais e 20 óperas encenadas entre 1945 e 1973.

 

 

 

 

Carteirinha da UMES

 

Doc Estudante 2019 UMES fte Alta Cartaz
 

 

Informações

 

CPCUmesFilmes Logo fundo branco

 

 

 

Parceiros 

sptrans

 

  

casa mestre ananias

 

 

 

Fique bem informado

 

hp

 

 

icone-apeoesp

 

 

icone-campanha-educacao

  

  

cropped-capasitecomite-1

Comitê de Luta pela 
Educação Sem Censura

 

   

portal do bixiga

 

pornoimpala.info pornopingvin.com
Yurtdışı Eğitim Makedonya Avrupa Üniversitesi Makedonya Eğitim Saraybosna Üniversitesi Saraybosna Üniversitesi Saraybosna Üniversitesi Saraybosna Üniversitesi Saraybosna Üniversitesi Bosna Hersek Üniversiteleri Bosna Hersek Üniversiteleri Bosna Hersek Üniversiteleri Bosna Hersek Üniversiteleri Bosna Hersek Üniversiteleri Travnik Üniversitesi Travnik Üniversitesi Travnik Üniversitesi Saraybosna Üniversiteleri Makedonya Üniversiteleri Struga Üniversitesi Kiril Metodi Üniversitesi Bulgaristanda Eğitim Bulgaristanda Eğitim Bulgaristan Üniversiteleri Bulgaristan Üniversitesi Bulgaristan Üniversiteleri Ukrayna Üniversiteleri Ukrayna Üniversiteleri Ukraynada Üniversite Ukrayna Üniversiteleri Malta Dil Okulları Gürcistan üniversiteleri Gürcistan Eğitim Malta Dil Okulu Malta Nerede ingiltere Dil Okulları ESE Malta Dil Okulu Лазерна Епилация Пловдив Лазерна Епилация Пловдив Лазерна Епилация Пловдив Лазерна Епилация Пловдив