Manifestação condena reestruturação de Alckmin para fechar e desorganizar escolas

 

“Nós estudantes estaremos nas ruas mobilizando a juventude enquanto persistir essa proposta de Alckmin para fechar escolas, demitir professores e tirar os alunos a força de suas escolas”disse Marcos Kauê, presidente da UMES durante o ato realizado pelos estudantes em frente a Secretaria de Educação na manha desta sexta (9). “Essa reestruturação é para destruir nossas escolas. Só vamos descansar quando essa proposta for destruída”.

 

“Em 1995 o governo tucano tomou uma medida parecida que separou o fundamental do ensino médio em diversas de escolas. A medida levou a demissão de 20 mil professores, a transferência de milhares de alunos e o fechamento de muitas escolas. Hoje Alckmin quer separar todos os ciclos e isola-los. Isso vai tirar o ensino médio de milhares de escolas. Em outras, não haverá mais o fundamental I ou o II. Toda a rede será afetada. Pelo menos 150 escolas serão fechadas. Mas os estudantes não vão permitir esse crime contra a educação”, afirmou Kauê.

 

“O Alckmin vai ganhar uma passagem pra sair desse lugar. Não é de trem, nem de metrô ou avião, é algemado no camburão!”, cantavam mais de 2.000 estudantes na Avenida Paulista, caminhando sentido a Avenida Consolação, que integrava o trajeto da manifestação rumo a Praça da República, onde fica a sede da secretaria.

 

Confira a entrevista de Kauê aprofundando os problemas da “reestruturação”

 

A concentração teve início às 8 horas em frente ao MASP, e por volta das 9 horas, após reunidas dezenas de escolas da capital, a manifestação seguiu pela Avenida Paulista com destino a Secretaria da Educação. Por todo o trajeto os estudantes agitaram com muitas palavras de ordem denunciando os crimes do governador Geraldo Alckmin, que reforçou o policiamento e inclusive colocou a tropa de choque contra estudantes e professores (ver nota de esclarecimento).

 

Muitas palavras de ordem integravam o repertorio dos estudantes durante sua denúncia contra as medidas de sucateamento da educação por parte de Alckmin, como “Não, não, não! O fechamento não! Fechar a minha escola é coisa de ladrão”, porém também houveram palavras de ordem relacionando as propostas de Alckmin com os cortes de Dilma, como o “O que a Dilma e o Alckmin são? São inimigos da educação!”, ou “Não é mole não, a pátria educadora cortou da educação”. Com muitos cartazes e faixas os estudantes também agitaram palavras de ordem como “Sou estudante de coração, to defendendo a educação”, “Unificou, unificou! É estudante funcionário e professor”, ou “o professor, é meu colega, mexeu com ele o bicho pega”.

 

Durante a marcha muitas pessoas aplaudiam e incentivavam os estudantes, dizendo que cortar da educação é “inadmissível”. Ao chegarem em frente a secretaria, os estudantes se sentaram próximo a Avenida Ipiranga com a rua São João, e vaiaram o governador Geraldo Alckmin por alguns minutos. Logo em seguida os estudantes se dirigiram para a entrada da secretaria e deram início ao seu ato político.

 

“Não tem acordo com o governo, senhor Secretário Herman! Enquanto a reestruturação não for revogada a aula vai ser na rua”, disse Kauê ao abrir o ato. Na sequencia a estudantes Gabriela Mendes, da Escola Estadual Toufic Joulian, disse para o secretário “parar de fingir que não está vendo os estudantes. Dessa vez são os estudantes que estão na rua, porque vocês não ouviram nossos professores, mas agora é a vez dos estudantes, e essa cidade vai parar!”

 

Veja todas as fotos em nosso Facebook. Aproveite e curta nossa página!

 

Caique Nakayama, presidente do grêmio da Escola Estadual Antônio Alcântara Machado, e diretor da UMES, disse que os estudantes de sua escola foram a manifestação dizer que “fechar escola, demitir professores e transferir alunos é coisa de governo fascista”. Para ele a força dos estudantes vai crescer e o “fascismo do governo vai cair, e isso começa hoje”. Já a estudantes da Escola Estadual Amador e Catharina, Natalia Prete, disse que sua “escola está se mobilizando contra a reestruturação”. “Esse governo não vai fechar escola porque não vamos deixar. Vocês são minoria e os estudantes são maioria. Não Somos bobos. Os estudantes estão organizados!”

 

O presidente do grêmio da Escola Estadual Padre Saboia de Medeiros, Pedro Vieira, cuja reestruturação fará a escola fechar, disse que “os estudantes não vão aceitar que fechem o ensino médio de nossa escola”. Vicente, que também é estudantes do Saboia, alertou que “a luta não termina hoje. Nossa escola não vai fechar, e além disso vamos lutar para melhora-la ainda mais”.

 

Durante o ato Kauê convidou o sindicalista Carlos Pereira, da Central Geral dos Trabalhadores do Brasil para dar o seu recado aos estudantes. Pereira disse que os “trabalhadores vieram dar seu apoio aos estudantes”. Para ele “se a juventude estuda, é para ter futuro. Estão tirando nossa escola e o nosso emprego. Estão tirando o nosso futuro”, afirmou ao se referir aos cortes de Dilma e a medida de Alckmin. “Estão dando o nosso dinheiro para os banqueiros, é por isso que estão cortando nossa escola e o nosso emprego” ressaltou.

 

Também estiveram presentes o diretor de cultura da União Brasileira dos Estudantes (UBES), Wesley Machado e o vice-presidente para a capital da União Paulista dos Estudantes Secundaristas (UPES), Daniel Cruz. Ambos denunciaram as manobras de Alckmin para cortar da educação e afirmaram o governador não terá sossego.

 

Repúdio a violência

 

“Repudiamos e somos contra a repressão desse governo. Quem bate em jovens defendendo seu direito a educação comete um crime absurdo, é coisa de governo fascista. Hoje eles prenderam estudantes e até mesmo um professor. Vamos sair daqui direto para a delegacia com nosso advogado, por que isso é inadmissível”, disse Kauê durante o ato na secretaria, se referindo aos ataques desnecessários da polícia de Alckmin contra estudantes ainda no início da manifestação.

 

A estudante da Escola Estadual Raul Fonseca, Gabriela, cujo professor foi preso, denunciou a barbaridade cometida pela policia enviada sob as ordens de Alckmin. “Nosso professor foi preso defendendo os estudantes. Se esse governo quer fazer terrorismo contra os estudantes que defende sua escola, o bicho vai pegar, porque não vamos sair das ruas”.

 

*Fotos: Leonardo Varela

 

Carteirinha da UMES

 

icone-carteirinha-umes

 

icone-guia-de-descontos-umes

 

 

 

Informações

 

icone-gremio-estudantil

 

CPCUmesFilmes Logo fundo branco

 

 

 

Parceiros

 

sptrans

 

 

logo zumbi faculdade comunitaria

 

 

casa mestre ananias

 

 

 

Fique bem informado

 

hp

 

 

icone-apeoesp

 

 

icone-campanha-educacao

 

 

portal do bixiga

 

pornoimpala.info pornopingvin.com
Yurtdışı Eğitim Makedonya Avrupa Üniversitesi Makedonya Eğitim Saraybosna Üniversitesi Saraybosna Üniversitesi Saraybosna Üniversitesi Saraybosna Üniversitesi Saraybosna Üniversitesi Bosna Hersek Üniversiteleri Bosna Hersek Üniversiteleri Bosna Hersek Üniversiteleri Bosna Hersek Üniversiteleri Bosna Hersek Üniversiteleri Travnik Üniversitesi Travnik Üniversitesi Travnik Üniversitesi Saraybosna Üniversiteleri Makedonya Üniversiteleri Struga Üniversitesi Kiril Metodi Üniversitesi Bulgaristanda Eğitim Bulgaristanda Eğitim Bulgaristan Üniversiteleri Bulgaristan Üniversitesi Bulgaristan Üniversiteleri Ukrayna Üniversiteleri Ukrayna Üniversiteleri Ukraynada Üniversite Ukrayna Üniversiteleri Malta Dil Okulları Gürcistan üniversiteleri Gürcistan Eğitim Malta Dil Okulu Malta Nerede ingiltere Dil Okulları ESE Malta Dil Okulu Лазерна Епилация Пловдив Лазерна Епилация Пловдив Лазерна Епилация Пловдив Лазерна Епилация Пловдив