Professores rechaçam proposta de Alckmin de trocar bônus por reajuste

 

'Não vamos aceitar isso. O bônus não é para todos. Os professores não podem ficar mais um ano sem reajuste salarial', defendeu a presidenta da Apeoesp.

 

A presidenta do Sindicato dos Professores do Ensino Oficial do Estado de São Paulo (Apeoesp), Maria Izabel Azevedo Noronha, a Bebel, afirmou hoje (1º) que a categoria não vai aceitar mais um ano sem reajuste, mesmo que o governo volte atrás e pague o bônus para os docentes, como anunciado pela Secretaria Estadual da Educação. “Não vamos aceitar isso. O bônus não é para todos. Os professores não podem ficar mais um ano sem reajuste salarial”, disse Bebel, lembrando que no ano passado os docentes também não tiveram reajuste.

 

O governador Geraldo Alckmin (PSDB) pretendia usar o dinheiro do bônus para conceder um reajuste linear de 2,5% para toda a categoria do magistério paulista, medida que os professores também não aceitam. “Nós vamos para o enfrentamento. Não adianta dizer que não tem dinheiro, porque o governo concedeu renúncia fiscal de R$ 14 bilhões em 2014. E está mantendo essa ação, podendo chegar a R$ 60 bilhões. Nós não vamos pagar essa conta”, afirmou Bebel.

 

Segundo Bebel, a renúncia fiscal acaba por provocar redução na arrecadação do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS), o que impacta no Fundo para o Desenvolvimento do Ensino Básico (Fundeb), que financia a educação paulista.

 

A secretaria alega que realizou uma consulta pública em seu site nesta semana, que contou com a participação de 44 mil servidores do magistério.

 

Segundo a pasta, 93% disseram preferir obônus ao reajuste. No ano passado, R$ 1 bilhão foi concedido como bônus a 232 mil servidores da educação paulista. Neste ano, porém, o montante deve ser de R$ 450 mil.

 

“Mas esse valor não é repartido igualmente. Os cargos de alto escalão da secretaria e as diretorias de ensino ficam com 40% do valor, tendo muito menos trabalhadores que o corpo docente. Foi isso que ocorreu em 2015”, protestou Bebel.

 

Denunciando a limitação da consulta feita pela secretaria, que perguntava se os professores preferiam 2,5% de reajuste ou bônus, a Apeoesp realizará enquete própria, em seu portal na internet, questionando os professores se preferem receber o bônus ou um reajuste salarial que reponha a inflação desde julho de 2014.

 

Na próxima sexta-feira (8), os professores vão realizar assembleia na Avenida Paulista para definir os rumos da campanha salarial deste ano. Com a situação atual, Bebel não descarta uma paralisação. Em 2015, os docentes ficaram 93 dias em greve, a maior já registrada no país.

 

Fonte: APEOESP

 

Carteirinha da UMES

 

icone-carteirinha-umes

 

icone-guia-de-descontos-umes

 

 

 

Informações

 

icone-gremio-estudantil

 

CPCUmesFilmes Logo fundo branco

 

 

 

Parceiros

 

sptrans

 

 

logo zumbi faculdade comunitaria

 

 

casa mestre ananias

 

 

 

Fique bem informado

 

hp

 

 

icone-apeoesp

 

 

icone-campanha-educacao

 

 

portal do bixiga

 

pornoimpala.info pornopingvin.com
Yurtdışı Eğitim Makedonya Avrupa Üniversitesi Makedonya Eğitim Saraybosna Üniversitesi Saraybosna Üniversitesi Saraybosna Üniversitesi Saraybosna Üniversitesi Saraybosna Üniversitesi Bosna Hersek Üniversiteleri Bosna Hersek Üniversiteleri Bosna Hersek Üniversiteleri Bosna Hersek Üniversiteleri Bosna Hersek Üniversiteleri Travnik Üniversitesi Travnik Üniversitesi Travnik Üniversitesi Saraybosna Üniversiteleri Makedonya Üniversiteleri Struga Üniversitesi Kiril Metodi Üniversitesi Bulgaristanda Eğitim Bulgaristanda Eğitim Bulgaristan Üniversiteleri Bulgaristan Üniversitesi Bulgaristan Üniversiteleri Ukrayna Üniversiteleri Ukrayna Üniversiteleri Ukraynada Üniversite Ukrayna Üniversiteleri Malta Dil Okulları Gürcistan üniversiteleri Gürcistan Eğitim Malta Dil Okulu Malta Nerede ingiltere Dil Okulları ESE Malta Dil Okulu Лазерна Епилация Пловдив Лазерна Епилация Пловдив Лазерна Епилация Пловдив Лазерна Епилация Пловдив