Ensino superior privado movimentou mais de R$ 49 bilhões no ano de 2015

25-6-16 Tubarão

 

Valor duplicou durante os anos de governo Dilma: 2011/2015

 

O ensino superior privado registrou receita líquida R$ 49,3 bilhões no ano passado, segundo o estudo anual do setor, da empresa de consultoria Hoper Educação, divulgado no último dia 22. O crescimento passou de R$ 24,7 bilhões em 2011, 32 bilhões em 2013 para R$ 49,3 bilhões em 2015.

 

Dos R$ 49,3 bilhões, 44% (R$ 21,7 bilhões) são provenientes dos 12 maiores grupos educacionais, apontou o estudo da Hoper Educação.

 

As 12 maiores empresas de ensino superiores, considerando o volume de matrículas e suas respectivas participações na área, são: Kroton (16,3%), Estácio (7,2%), Unip (6,6%), Laureate (3,8%), Uninove (2,3%), Ser Educacional (2,1%), Cruzeiro do Sul (1,3%), Anima (1,2%), Unicesumar (0,95), Ilumno (0,8%), DeVry (0,7%) e Grupo Tiradentes (0,7%).

 

Das 12 instituições, apenas a Unip, a Uninove, a Unicesumar e o Grupo Tiradentes são genuinamente brasileiras. A Anima tem 44% do capital aberto na bolsa de valores, a Kroton é controlada pelo fundo de investimento Advent International, a Estácio é controlada em 20% pelo GP Investiments, a Ilumno é estadunidense, mas em 2015 vendeu sua atuação no Brasil pra Anima, DeVry é de Chicago, a Cruzeiro do Sul pertence ao fundo Actis do Reino Unido e a Ser Educacional é controlada pelo Cartesian Capital Group (USA), e a Laureate International, controlada pelo fundo KKR, estadunidense.

 

Atualmente é estudada a fusão entre a Kroton e a Estácio. A Kroton, maior empresa de educação superior privada do país, encerrou março com 1,01 milhão de alunos, enquanto a Estácio, segunda maior do setor, tinha base total de 588 mil estudantes.

 

A Ordem dos Advogados do Brasil do Rio de Janeiro (OAB-RJ) fez uma denúncia no Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade), que rege as relações comerciais no país, contra o negócio. A OAB alega que a operação trará concentração econômica ilegal ao mercado, de mais de 30%, diante de um limite estabelecido pelo Cade de 20%.

 

O órgão está longe de ser um defensor da economia nacional. Por exemplo, o órgão aprovou a venda de operações de ensino a distância (EAD) da catarinense Uniasselvi, comprada pela Kroton em 2012 por 510 milhões de reais, que então concluiu em fevereiro a venda da Uniasselvi por 1,105 bilhão de reais aos gestores de fundos Carlyle e Vinci Partners.

 

A desnacionalização do ensino reforça o caráter mercantil da universidade privada e tem como objetivo central a obtenção de super-lucros para serem remetidos às suas matrizes. Os alunos são tratados exclusivamente como mercadoria, tendo sua vaga, avaliada em moeda corrente.

 

No Brasil, o investimento se torna sem risco, com lucro certo e inadimplência nula, visto que boa parte das matrículas são feitas pelo Fundo de Financiamento Estudantil (Fies) – pelo qual o governo paga a faculdade e o aluno tem 18 meses para começar a devolver o dinheiro investido a longo. No caso da Kroton, 40% das matrículas são do Fies.

 

Como um grupo de investimentos como o GP Investiments que controla a AmBev e a Lojas Americanas pode entender alguma coisa de educação para controlar também a Estácio?

 

Não é a toa que nos últimos anos tem sido política permanente das faculdades privadas entregues ao capital financeiro internacional a cobrança abusiva de mensalidades, a superlotação de salas de aula, a contratação de menos professores e com menos qualificação, nenhuma preocupação com produção científica, e o aumento desenfreado do ensino à distância – modalidade esta que demanda baixo custo de investimento e manutenção, e aumentou em 170 vezes nos últimos dez anos.

 

Enquanto o governo ajuda a garantir os lucros das multinacionais da educação, temos visto as universidades federais tem aulas suspensas, falta dinheiro pra pagar os funcionários e professores, trabalhos de pesquisa parados, sem luz, sem papel higiênico nos banheiros, tudo por falta de verba.

É claro que é fundamental garantir que os estudantes já matriculados, nas instituições privadas com bolsas do FIES, consigam terminar o curso e alcançar o tão sonhado diploma. O que é inadmissível é o governo Dilma/Temer achacar o ensino público e aliviar o ensino privado. O ensino público deve ser prioritário em relação ao privado, por ser um setor estratégico para o desenvolvimento do país e por assim exigir a Constituição Federal.

 

Fonte: Maíra Campos da Hora do Povo

 

Carteirinha da UMES

 

icone-carteirinha-umes

 

icone-guia-de-descontos-umes

 

 

 

Informações

 

icone-gremio-estudantil

 

CPCUmesFilmes Logo fundo branco

 

 

 

Parceiros

 

sptrans

 

 

logo zumbi faculdade comunitaria

 

 

casa mestre ananias

 

 

 

Fique bem informado

 

hp

 

 

icone-apeoesp

 

 

icone-campanha-educacao

 

 

portal do bixiga

 

pornoimpala.info pornopingvin.com
Yurtdışı Eğitim Makedonya Avrupa Üniversitesi Makedonya Eğitim Saraybosna Üniversitesi Saraybosna Üniversitesi Saraybosna Üniversitesi Saraybosna Üniversitesi Saraybosna Üniversitesi Bosna Hersek Üniversiteleri Bosna Hersek Üniversiteleri Bosna Hersek Üniversiteleri Bosna Hersek Üniversiteleri Bosna Hersek Üniversiteleri Travnik Üniversitesi Travnik Üniversitesi Travnik Üniversitesi Saraybosna Üniversiteleri Makedonya Üniversiteleri Struga Üniversitesi Kiril Metodi Üniversitesi Bulgaristanda Eğitim Bulgaristanda Eğitim Bulgaristan Üniversiteleri Bulgaristan Üniversitesi Bulgaristan Üniversiteleri Ukrayna Üniversiteleri Ukrayna Üniversiteleri Ukraynada Üniversite Ukrayna Üniversiteleri Malta Dil Okulları Gürcistan üniversiteleri Gürcistan Eğitim Malta Dil Okulu Malta Nerede ingiltere Dil Okulları ESE Malta Dil Okulu Лазерна Епилация Пловдив Лазерна Епилация Пловдив Лазерна Епилация Пловдив Лазерна Епилация Пловдив