MP questiona acordo de Alckmin com a líder do cartel do trensalão

27-7-16 P4-foto-A

Tucano fez acordo com a multinacional Alstom em que perdoou R$ 116 milhões em dívidas e permite que produto seja entregue com dez anos de atraso. Ministério Público diz que “o acordo viola o princípio da legalidade”

 

O Ministério Público vai questionar na Justiça o acordo o governador Geraldo Alckmin (PSDB) fez com a multinacional francesa Alstom em que perdoou dívidas que chegam a R$ 116 milhões da empresa com a estatal. A Alstom é acusada de ser a principal articuladora do esquema de fraude em licitações conhecido como cartel do trensalão tucano.

O Metrô de São Paulo contratou em 2008, durante gestão de José Serra (PSDB), por R$ 780 milhões, um sistema digital para melhoria no sistema de transporte. O prazo para entrega foi ampliado em dez anos – a previsão inicial era 2011 o governo Alckmin também aceitou que seja entregue até 2021.

O tempo a mais dado pelo tucano a multinacional é para instalar o sistema que melhorará a circulação de trens nas linhas 1 (Azul), 2 (Verde) e 3 (Vermelha) do Metrô de São Paulo. O produto é o sistema digital, conhecido como CTBC, controle de trens baseado em comunicação, usado para diminuir o intervalo entre os trens, agilizar o transporte de passageiros, reduzir a superlotação e aumentar o número de usuários.

Em janeiro deste ano, a demora na instalação e divergências sobre os valores do contrato provocaram um desentendimento entre o governo do estado e a empresa. Mas as partes acabaram fazendo um acordo, o Metrô desistiu do processo e abriu mão de receber da Alstom os R$116 milhões.

Este acordo foi fechado em uma câmara arbitral, sistema que substitui a Justiça e é recomendado pelo Banco Mundial, “por gerar decisões mais rápidas”. O Metrô defendia que os atrasos provocaram perdas de R$ 289,1 milhões para a companhia. Já a Alstom argumentava que os atrasos aumentaram o valor do contrato em R$ 173,1 milhões. Em agosto do ano passado, as empresas pediram a suspensão da arbitragem porque discutiam um acordo, que acabou homologado em 27 de janeiro deste ano.

O Ministério Público diz que o acordo é ilegal. “Ele viola o princípio da legalidade, ele viola o princípio da moralidade, principalmente ele viola o princípio da eficiência. Todos eles se caracterizando, podem se caracterizar em improbidade administrativa.”

Em nota, a Alstom disse que a repactuação do contrato foi aprovada por todos os órgãos competentes “após rigorosa análise técnica e que foi homologado pelo tribunal arbitral e pela corte da câmara de comércio internacional”.

Já o governo tucano, através do secretário de Transportes Metropolitanos, Clodoaldo Pelissioni, tentou justificar a decisão que lesa a população e os cofres públicos. “tínhamos duas decisões a tomar: ou rescindíamos o contrato, depois teríamos que licitar novamente, ou fazíamos uma repactuação contratual”, afirma.

Até hoje, apenas a linha Verde conta com o sistema - que, por ora, tem gerado efeito contrário. Desde fevereiro esse sistema funciona na Linha -2 Verde. Um relatório do Metrô aponta que de janeiro a julho, houve dez falhas que atrasaram a operação. Cada uma de 23 minutos, em média. Já são mais registros que em todo o ano de 2015 e o dobro de 2014. O Metrô diz que as falhas vêm ocorrendo porque o sistema ainda opera em fase de testes.

O caso do sistema de controle digital também foi levado pelo Metrô ao Tribunal de Contas do Estado, que atualmente analisa o contrato. Em manifestação protocolada no tribunal em junho do ano passado, o Metrô alegou que teve perdas de R$ 315 milhões -R$ 26 milhões a mais em relação ao montante apresentado na arbitragem. Só com a receita perdida com a “demanda de usuários reprimida e prejuízo decorrente de trens parados” a companhia afirmou ter verificado um prejuízo de R$ 307,7 milhões.

A Alstom é acusada pelo Ministério Público de integrar o esquema de pagamento de propina a políticos tucanos para fraudar com superfaturamento as licitações do Metrô e trens da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM). O cartel formado com ajuda do PSDB operou no Estado entre 1998 e 2008, talvez não por coincidência mesmo ano do deste contrato questionado agora pelo MP-SP pelo perdão das dividas.

Nos últimos anos, os repetidos governos tucanos vem praticando o desmonte das estatais do Metrô e CPTM com o objetivo de privatizá-las. Terceirização de atividades e falta de manutenção adequada aumentam cada vez mais a quantidade de falhas no sistema de transporte por trilhos paulista.

Recentemente, um Plano de Demissão Voluntária (PDV) foi anunciado com o objetivo de afastar os funcionários mais experientes do Metrô.

Fonte: Hora do Povo

 

Carteirinha da UMES

 

icone-carteirinha-umes

 

icone-guia-de-descontos-umes

 

 

 

Informações

 

icone-gremio-estudantil

 

CPCUmesFilmes Logo fundo branco

 

 

 

Parceiros

 

sptrans

 

 

logo zumbi faculdade comunitaria

 

 

casa mestre ananias

 

 

 

Fique bem informado

 

hp

 

 

icone-apeoesp

 

 

icone-campanha-educacao

 

 

portal do bixiga

 

pornoimpala.info pornopingvin.com
Yurtdışı Eğitim Makedonya Avrupa Üniversitesi Makedonya Eğitim Saraybosna Üniversitesi Saraybosna Üniversitesi Saraybosna Üniversitesi Saraybosna Üniversitesi Saraybosna Üniversitesi Bosna Hersek Üniversiteleri Bosna Hersek Üniversiteleri Bosna Hersek Üniversiteleri Bosna Hersek Üniversiteleri Bosna Hersek Üniversiteleri Travnik Üniversitesi Travnik Üniversitesi Travnik Üniversitesi Saraybosna Üniversiteleri Makedonya Üniversiteleri Struga Üniversitesi Kiril Metodi Üniversitesi Bulgaristanda Eğitim Bulgaristanda Eğitim Bulgaristan Üniversiteleri Bulgaristan Üniversitesi Bulgaristan Üniversiteleri Ukrayna Üniversiteleri Ukrayna Üniversiteleri Ukraynada Üniversite Ukrayna Üniversiteleri Malta Dil Okulları Gürcistan üniversiteleri Gürcistan Eğitim Malta Dil Okulu Malta Nerede ingiltere Dil Okulları ESE Malta Dil Okulu Лазерна Епилация Пловдив Лазерна Епилация Пловдив Лазерна Епилация Пловдив Лазерна Епилация Пловдив