Centrais aprovam mobilização no dia 20 rumo à greve geral

p5a

Os trabalhadores farão panfletagens nas fábricas, aeroportos e praças das capitais

As centrais sindicais - Força Sindical, CGTB, CUT, Nova Central, UGT, CSP-Conlutas, CTB, Intersindical, CSB e A Pública - Central do Servidor - se reuniram na manhã desta quarta-feira (7), na sede do Dieese, para organizar as mobilizações do dia 20 de junho, o dia de preparação para a nova Greve Geral contra as reformas de Temer, com data marcada para o dia 30.

“Será o esquenta para a greve geral dia 30. Aqui em São Paulo vamos fazer panfletagens em terminais de ônibus, estações de metrô e trens, circular com carros de som pelos bairros e realizar atividade cultural na avenida Paulista no final da tarde. Será o ‘Arraiá’ Contra as Reformas”, explica o presidente da Nova Central SP, Luiz Gonçalves, Luizinho.

O governo vem tentando, às pressas, articular a votação do Projeto de Lei da Câmara (PLC) 38/17, que estipula a reforma trabalhista. O relatório passou numa votação apertada na Comissão de Assuntos Econômicos (CAE) do Senado, nesta terça-feira (6), e na quinta-feira, entra na Comissão de Assuntos Sociais (CAS) para apreciação. Com um conteúdo que rasga a CLT – autoriza que qualquer acordo, convenções coletivas ou até mesmo que acordos individuais prevaleçam sobre o que estipula a lei, como, por exemplo, a redução salarial, a submissão de mulheres grávidas a situações insalubres, a redução do tempo de almoço, dentre outros absurdos – o projeto tem encontrado resistência na Câmara.

A PEC (Projeto de Emenda Constitucional) 287/17, que trata da “reforma” previdenciária, encontra ainda mais resistência. Ancorado na argumentação de que a previdência tem um déficit crescente – o que já foi enormemente desmentido por diversos economistas e entidades, em especial a ANFIP (Associação Nacional dos Auditores Fiscais da Receita Federal) e a Auditoria Cidadã da Dívida – o texto da PEC torna simplesmente inalcançável a aposentadoria integral pública. O próprio governo anuncia que o intuito da PEC é dificultar o acesso.

O vice-presidente da Força Sindical, e presidente da CNTM (Confederação Nacional dos Trabalhadores Metalúrgicos), Miguel Torres, aponta que “a crise não pode ser jogada nas costas da classe trabalhadora. A retomada do desenvolvimento econômico que almejamos, com geração de emprego e qualidade de vida, tem que beneficiar a sociedade brasileira como um todo, com respeito às aposentadorias, aos direitos, à soberania nacional e à democracia!”

A agenda das centrais está tomada de mobilização, no dia 20 serão organizadas essas grandes panfletagens com agitação e carro de som nas principais cidades, a fim de seguir no trabalho de conscientização dos trabalhadores e da população sobre o que está em jogo. Além das Panfletagens nas estações de Metrô e Terminais de Ônibus, haverá assembleias nas bases e locais de trabalho e atos em todos os aeroportos e nas bases dos Senadores e Deputados para pressionar contra as reformas.

“O caminho que o Brasil pode seguir com a aprovação da reforma trabalhista será o mesmo já trilhado em outros países, que testemunharam o aumento radical da desigualdade, a precarização e informalização do emprego, bem como o aumento da discriminação no mercado de trabalho contra mulheres, jovens e idosos. Não há retomada do crescimento econômico quando a opção é pela redução de salários, aumento da jornada de trabalho, a imposição de contratos precários, a limitação dos seguros contra acidentes ou doenças ocupacionais e o estímulo à demissão”, denunciou o presidente da CTB, Adilson Araújo.

Na greve geral realizada em 28 de abril, o país parou. O movimento teve a adesão de centenas de categorias, entre elas a do transporte. Metrô, ônibus, portos e trens paralisaram total ou parcialmente em todos os estados.

Metalúrgicos, petroleiros, servidores da educação e saúde, da polícia federal e civil, agentes penitenciários, entre outros, também pararam em repúdio às reformas da Previdência e trabalhista.

De acordo com as centrais, o objetivo agora é ampliar ainda mais a mobilização e exigir que esses projetos sejam enterrados. “Vamos parar o Brasil e voltar a Brasília se necessário for. O povo não aceita que suas aposentadorias e direitos sejam roubados, e já demonstrou que não vai medir esforços para defender o que é seu”, afirmou Ubiraci Dantas, presidente da Central Geral dos Trabalhadores do Brasil (CGTB).

Fonte: Jornal Hora do Povo.

Carteirinha da UMES

 

icone-carteirinha-umes

 

icone-guia-de-descontos-umes

 

 

 

Informações

 

icone-gremio-estudantil

 

CPCUmesFilmes Logo fundo branco

 

 

 

Parceiros

 

sptrans

 

 

logo zumbi faculdade comunitaria

 

 

casa mestre ananias

 

 

 

Fique bem informado

 

hp

 

 

icone-apeoesp

 

 

icone-campanha-educacao

 

 

portal do bixiga

 

pornoimpala.info pornopingvin.com
Yurtdışı Eğitim Makedonya Avrupa Üniversitesi Makedonya Eğitim Saraybosna Üniversitesi Saraybosna Üniversitesi Saraybosna Üniversitesi Saraybosna Üniversitesi Saraybosna Üniversitesi Bosna Hersek Üniversiteleri Bosna Hersek Üniversiteleri Bosna Hersek Üniversiteleri Bosna Hersek Üniversiteleri Bosna Hersek Üniversiteleri Travnik Üniversitesi Travnik Üniversitesi Travnik Üniversitesi Saraybosna Üniversiteleri Makedonya Üniversiteleri Struga Üniversitesi Kiril Metodi Üniversitesi Bulgaristanda Eğitim Bulgaristanda Eğitim Bulgaristan Üniversiteleri Bulgaristan Üniversitesi Bulgaristan Üniversiteleri Ukrayna Üniversiteleri Ukrayna Üniversiteleri Ukraynada Üniversite Ukrayna Üniversiteleri Malta Dil Okulları Gürcistan üniversiteleri Gürcistan Eğitim Malta Dil Okulu Malta Nerede ingiltere Dil Okulları ESE Malta Dil Okulu Лазерна Епилация Пловдив Лазерна Епилация Пловдив Лазерна Епилация Пловдив Лазерна Епилация Пловдив