IBGE: 27 milhões e 700 mil brasileiros estão sem emprego

Desemprego-2

Cresce para 11,2 milhões número de jovens sem emprego e sem estudo

O aumento do desemprego, registrado pelos índices do IBGE, por todas as razões, é a demonstração mais categórica de que a “recuperação” da economia, badalada insistentemente nos últimos meses, era (e, claro, é) uma farsa, uma fraude, uma vigarice para enganar incautos e pessoas de boa fé.

Há poucas edições, divulgamos o aumento do número de trabalhadores – um aumento de um milhão e 528 mil pessoas – que o IBGE considera “desocupados”, aqueles, que, em princípio, têm como única ocupação, a de procurar emprego.

Ao todo, dissemos, são 13 milhões e 689 mil trabalhadores nessa condição.

Agora, o IBGE divulgou o número total de desempregados e subempregados – que, evidentemente, também são desempregados.

Entre o final de 2017 e o final do primeiro trimestre de 2018, o número total de desempregados (incluindo os subempregados) passou de 26 milhões e 516 mil trabalhadores para 27 milhões e 669 mil trabalhadores.

O que quer dizer que ¼ da força de trabalho, no Brasil, está desempregada.

Com a característica de que o desemprego feminino (+654 mil trabalhadoras desempregadas) aumentou, em termos absolutos, mais que o desemprego masculino (+499 mil trabalhadores desempregados).

Realmente, esperar da política de Temer e Meirelles alguma recuperação só é possível em caso de delírio – e não nos consta que nem mesmo algum delirante tenha manifestado tal expectativa. De Temer e Meirelles pode-se esperar roubo e destruição das forças produtivas do país. Jamais alguma “recuperação” da economia.

Portanto, se não é delírio, é vigarice.

Mas, vigarice para quê? Para que alardear, através de jornais e da TV, uma “recuperação” que não existe?

Para manter a política atual, que consiste, precisamente, em saquear recursos do setor produtivo da economia – dos trabalhadores e dos empresários nacionais que produzem – para transferi-los ao setor improdutivo, parasitário da economia, isto é, aos bancos e fundos, sobretudo estrangeiros, mais alguns elementos que se abarrotam com a especulação dos juros e as especulações derivadas dos juros.

Por isso, os investimentos públicos – a mola mestra de qualquer economia – secaram. O dinheiro de toda a coletividade está sendo drenado para nutrir um abscesso financeiro.

Manter essa política de destruição é o objetivo dessa marketagem sobre uma suposta “recuperação”. O desastre é tão grande que o único recurso dos que querem manter essa política é a mera e grossa mentira da “recuperação”. Esta falsidade tornou-se o seu único argumento. Temos, então, o estelionato como política de governo.

Mas esse “argumento” é volatilizado pelo resultado dessa mesma política, expresso pelas taxas de desemprego total (ou seja, incluído o subemprego) divulgadas pelo IBGE.

Do final de 2014 ao final do primeiro trimestre de 2018, o número total de desempregados aumentou em 11 milhões e 679 mil pessoas, de acordo com esse critério: foi de 15 milhões e 990 mil trabalhadores desempregados (2014) para 27 milhões e 669 mil trabalhadores desempregados (2018).

Para manter essa política, recorre-se a qualquer fraude. Já tem algum tempo, alguns gênios, logo repetidos por algumas senhoritas e cavalheiros na TV que parecem ter QI negativo (mas são muito bem pagos exatamente por ter QI negativo), inventaram a teoria (?) de que, em uma crise, o emprego é o último a se recuperar.

Resta saber em que crise isto aconteceu. Naturalmente, em nenhuma.

Se não há recuperação do emprego, não há expansão do consumo e do mercado. Que empresário irá investir em sua empresa, se não existe mercado para desaguar a produção?

Numa situação em que o desemprego está crescendo, nem mesmo vale a pena colocar para funcionar as máquinas que estão paradas – isto é, diminuir a capacidade ociosa -, pois aumentar a produção significaria apenas um aumento das mercadorias encalhadas.

Por essa razão, toda a preocupação, após a eclosão da crise de 1929, foi a de aumentar o emprego, sem o que era impossível aumentar a produção – ou seja, recuperar a economia.

Enquanto o emprego – e o salário – não se recuperar, o conjunto da economia continuará afundando em um pântano estagnado.

Além disso, e até mais importante, a crise atual não é nenhuma “crise cíclica”, que eclodiu independente da política do governo.

Pelo contrário, essa é uma crise provocada pela política de Dilma, continuada por Temer.

Os 11 milhões e 679 mil trabalhadores, que perderam seus empregos desde 2014, foram para a rua porque esse era o objetivo de Dilma e Levy – e, depois, de Temer e Meirelles.

A questão era rebaixar o salário real dos trabalhadores para aumentar a margem de lucro dos monopólios, concentrando a renda. Essa foi (e é) a política do PT e do PMDB.

Daí as demissões em massa desde o início de 2015.

Poderíamos acrescentar que, desde 2011, era para isso que apontava a política econômica de Dilma, isto é, do PT. Basta ver a derrubada nos investimentos públicos, o aumento nos juros – após um breve momento, muito breve, de baixa -, o bloqueio no aumento dos servidores e na recuperação do salário mínimo, a queda na produção industrial e nos índices de crescimento.

Mas, sem dúvida, foi a partir de 2015, depois que Dilma ganhou uma eleição prometendo fazer o contrário, que a situação do país foi para o inferno econômico – isto é, para o desperdício de vidas e de investimentos já realizados – em suma, para a destruição de forças produtivas e de energia do povo brasileiro.

A taxa de desemprego total agora divulgada pelo IBGE está em 24,7% da força de trabalho. No Nordeste, é bem mais alta: 36,4% dos trabalhadores estão desempregados. No Norte, 28,6%. Mesmo no Sul, a taxa mais baixa entre as regiões, 15,2% dos trabalhadores estão sem emprego.

Enquanto isso, Temer comemora o Caged, do Ministério do Trabalho, cada vez mais falso, cada vez mais sem vínculo com a realidade e cada vez mais sem credibilidade (v. matéria nesta página).

Mas esse é um governo de ladrões.

 

Fonte: Hora do Povo

 

Carteirinha da UMES

 

icone-carteirinha-umes

 

icone-guia-de-descontos-umes

 

 

 

Informações

 

icone-gremio-estudantil

 

CPCUmesFilmes Logo fundo branco

 

 

 

Parceiros

 

sptrans

 

 

logo zumbi faculdade comunitaria

 

 

casa mestre ananias

 

 

 

Fique bem informado

 

hp

 

 

icone-apeoesp

 

 

icone-campanha-educacao

 

 

portal do bixiga

 

pornoimpala.info pornopingvin.com
Yurtdışı Eğitim Makedonya Avrupa Üniversitesi Makedonya Eğitim Saraybosna Üniversitesi Saraybosna Üniversitesi Saraybosna Üniversitesi Saraybosna Üniversitesi Saraybosna Üniversitesi Bosna Hersek Üniversiteleri Bosna Hersek Üniversiteleri Bosna Hersek Üniversiteleri Bosna Hersek Üniversiteleri Bosna Hersek Üniversiteleri Travnik Üniversitesi Travnik Üniversitesi Travnik Üniversitesi Saraybosna Üniversiteleri Makedonya Üniversiteleri Struga Üniversitesi Kiril Metodi Üniversitesi Bulgaristanda Eğitim Bulgaristanda Eğitim Bulgaristan Üniversiteleri Bulgaristan Üniversitesi Bulgaristan Üniversiteleri Ukrayna Üniversiteleri Ukrayna Üniversiteleri Ukraynada Üniversite Ukrayna Üniversiteleri Malta Dil Okulları Gürcistan üniversiteleri Gürcistan Eğitim Malta Dil Okulu Malta Nerede ingiltere Dil Okulları ESE Malta Dil Okulu Лазерна Епилация Пловдив Лазерна Епилация Пловдив Лазерна Епилация Пловдив Лазерна Епилация Пловдив