facebook INSTA

O Ministério da Educação – MEC aprovou na última terça-feira (20) as novas diretrizes do ensino médio.

mcmgo abr 201120182045 1

 

As mudanças prevêem que até 30% do ensino médio seja oferecido na modalidade ensino à distância – EaD.

 

O estudante que cursar no período diurno poderá ter até 20% das horas obrigatórias à distância, no período noturno é ainda pior, podendo chegar a 30%. O EJA – Ensino de Jovens e Adultos, modalidade de ensino que é voltada para aqueles que não concluíram os estudos e estavam fora das salas de aula será a modalidade mais afetada, podendo ter até 80% das horas fora da sala aula.

 

Apesar de o MEC afirmar que a medida é opcional, que cada estado poderá optar em oferecer a modalidade à distância, os estudantes de São Paulo podem dar a medida como certa, pois o Ministro que a homologou já foi anunciado como Secretário de Educação do Estado pelo governador eleito, João Dória.

 

A intenção da medida é clara, baratear o valor do ensino a qualquer custo. No entanto, o que não é claro é como a medida será praticada, quais as garantias da qualidade de ensino e quais os conteúdos poderão ser ensinados, já que o texto diz que o ensino não presencial deverá contemplar “preferencialmente” a parte flexível. O termo usado abre a brecha para que qualquer conteúdo seja ensinado à distância.

 

O principal – se não o único – interessado na aprovação da medida é o setor privado. Os chamados “grupos de ensino” que hoje, praticamente tomam conta do ensino universitário no país, viram no ensino à distância a forma de aumentar seus lucros com baixo custo e baixa qualidade.

 

Desde o inicio do ano esses grupos já se assanham para o ensino básico, vide a aquisição da empresa Somos Educação pela Saber - holding de educação básica da Kroton. Veja mais aqui.

 

Entidades defensoras da educação têm se manifestado contrárias à medida.

 

Para Sueli Veiga Melo, professora e vice-presidente da Federação dos Trabalhadores em Educação de Mato Grosso do Sul - FETEMS, que tem 35 anos de experiência na área da educação, afirma que a educação básica precisa ser presencial.

 

“Quando você pega uma parte da educação e passa ela para ser à distância, você tira uma parte importante do conteúdo, a interação. Tira a possibilidade da discussão da matéria, que é fundamental nessa etapa do conhecimento, esse direito da integração professor com aluno, não adianta dizer que é igual, por que não é. É inconcebível uma parte tão importante ser à distância”, pontua Sueli sobre a medida.

 

A professora e chefe de Divisão de Educação a Distância da SEDFOR (Secretaria Especial de Educação a Distância e Formação de Professores), Daiani Damm Tonetto, de 31 anos, argumenta que mesmo sendo uma defensora do ensino a distância, a medida é um “tiro no pé” da educação brasileira. “Ela não reflete a realidade do ensino público brasileiro, a gente não sabe como vai ser implementado, se forem disciplinas optativas, esses alunos vão ser prejudicados. Se você vai trabalhar a distância, precisa garantir condições de acesso à internet a todos os alunos, eles não podem ser prejudicados pela falta de acesso, a maioria das escolas não tem acesso à internet, não tem computador, como eles vão passar por esses processos de formação, se não têm nem o básico?”, argumenta a especialista.

 

“A EaD não cabe na educação básica, etapa que a relação entre professor e aluno e entre os próprios alunos é fundamental para se dar a aprendizagem. Aliás, as salas de aula são comunidades de aprendizagem e isso, esse espaço, não pode se perder para todas as disciplinas, porque não é possível ordenar sobre qual é mais ou menos importante”, afirmou Daniel Cara, coordenador da Campanha Nacional pelo Direito à Educação.

 

Além disso, segundo ele, essa brecha aberta pelo CNE vai radicalizar algo que já acontece no Brasil. "A Constituição Federal, no artigo 206, coloca como princípio a igualdade de condições para todos de acesso e permanência na escola.

 

"Com a EaD, a desigualdade que já existe no Brasil e é gravíssima, vai aumentar ainda mais, porque os alunos das classes mais favorecidas e moradores das cidades mais estruturadas, dos grandes centros, das capitais, vão ter uma educação presencial com melhor qualidade e para as regiões remotas, EaD. Isso significa que a gente vai aprofundar desigualdade no acesso à educação. É isso, aliás, que defende o governo Michel Temer, que abre caminho para essa vitória absurda da ultradireita representada por Jair Bolsonaro".

 

 

Carteirinha da UMES

 

Doc Estudante 2019 UMES fte Alta Cartaz
 

 

Informações

 

CPCUmesFilmes Logo fundo branco

 

 

 

Parceiros 

sptrans

 

  

casa mestre ananias

 

 

 

Fique bem informado

 

hp

 

 

icone-apeoesp

 

 

icone-campanha-educacao

  

  

cropped-capasitecomite-1

Comitê de Luta pela 
Educação Sem Censura

 

   

portal do bixiga

 

 

logo anpof2

Associação Nacional de

Pós-Graduação em Filosofia

 

pornoimpala.info pornopingvin.com
Yurtdışı Eğitim Makedonya Avrupa Üniversitesi Makedonya Eğitim Saraybosna Üniversitesi Saraybosna Üniversitesi Saraybosna Üniversitesi Saraybosna Üniversitesi Saraybosna Üniversitesi Bosna Hersek Üniversiteleri Bosna Hersek Üniversiteleri Bosna Hersek Üniversiteleri Bosna Hersek Üniversiteleri Bosna Hersek Üniversiteleri Travnik Üniversitesi Travnik Üniversitesi Travnik Üniversitesi Saraybosna Üniversiteleri Makedonya Üniversiteleri Struga Üniversitesi Kiril Metodi Üniversitesi Bulgaristanda Eğitim Bulgaristanda Eğitim Bulgaristan Üniversiteleri Bulgaristan Üniversitesi Bulgaristan Üniversiteleri Ukrayna Üniversiteleri Ukrayna Üniversiteleri Ukraynada Üniversite Ukrayna Üniversiteleri Malta Dil Okulları Gürcistan üniversiteleri Gürcistan Eğitim Malta Dil Okulu Malta Nerede ingiltere Dil Okulları ESE Malta Dil Okulu Лазерна Епилация Пловдив Лазерна Епилация Пловдив Лазерна Епилация Пловдив Лазерна Епилация Пловдив