facebook INSTA

Estudantes na Carta de Brasília: “Balbúrdia é o governo Bolsonaro”

9Manifestação durante o 57º Congresso da UNE, encerrado no dia 14/07 (foto: UNE)

 

No 57º Congresso da UNE, os estudantes brasileiros aprovaram por unanimidade a “Carta de Brasília”, intitulada, bem propriamente, “Balbúrdia é o governo Bolsonaro”.

“O movimento educacional, professores, trabalhadores e, sobretudo os estudantes deram um recado claro nas ruas no mês de maio nos dias 15 e 30, e na greve geral do dia 14 de Junho. Não aceitaremos os cortes na educação! Não aceitaremos esse aparelhamento do MEC e os ataques à democracia e à autonomia universitária!”, diz a Carta de Brasília.

“Por isso seguiremos nas ruas, no terceiro dia nacional em defesa da educação em 13 de agosto, contra o governo Bolsonaro e seus ataques, lutando por mais investimentos e valorização das nossas universidades, escolas, da ciência e tecnologia, por mais emprego e aposentadoria digna”.

Abaixo, para conhecimento de nossos leitores, a íntegra da Carta de Brasília.

Carta de Brasília

BALBÚRDIA É O GOVERNO BOLSONARO

Brasília mais uma vez se encontra com os sonhos da juventude brasileira durante a realização do 57º Congresso da União Nacional dos Estudantes. Milhares de estudantes de todo o Brasil se reuniram na capital federal entre os dias 10 e 14 de julho para deixar um recado de resistência. Em um momento complexo da conjuntura brasileira, a UNE convoca a unidade do movimento estudantil em defesa da educação, do trabalho e da aposentadoria.

Já se passaram mais de seis meses do governo Bolsonaro e o país segue em alta de desemprego, perspectiva sucessivamente mais baixa de crescimento econômico e retomada da desigualdade e da fome. Tudo isso em meio a baixa perspectiva de retomada do crescimento econômico, uma série de discursos ideológicos conservadores e polêmicas desnecessárias em que o Presidente da República tenta se sustentar. O Estado Democrático de Direito vem sendo fragmentado, como consequência, percebemos violações à liberdade de organização política, à liberdade de expressão e à liberdade de imprensa.

Não há nenhuma sinalização de que esse governo possa fazer algo a favor do povo brasileiro, e na educação não é diferente. O que vimos até agora foi uma tentativa de aparelhamento do Ministério da Educação em uma guerra ideológica que tenta colocar o ensino a serviço do projeto conservador de Bolsonaro. Enquanto isso, o governo federal retira recursos da universidade pública, reduz políticas públicas como PROUNI e FIES, e desregulamenta cada vez mais o ensino superior privado para que os empresários possam lucrar às custas de uma educação de má qualidade que prejudica os estudantes e o país.

Mas não para por aí! Ao cortar 30% dos investimentos no ensino superior, Bolsonaro ataca o futuro do Brasil e impossibilita o funcionamento das universidades públicas e de qualquer projeto de soberania nacional. Para piorar, o governo mente que os cortes só poderiam ser revistos após a aprovação da reforma da previdência. É como se Bolsonaro fizesse da educação sua refém, e o preço do resgate é a aposentadoria digna do nosso povo. Para além disso, dentro deste caminho sombrio que Bolsonaro propõe para a Educaçã-o Pública, há o estarrecedor projeto de reforma universitária de Bolsonaro que sucateia, privatiza e implementa a cobrança de mensalidade nas universidades públicas, afastando da educação os filhos das camadas mais populares da sociedade.

Mas nada acontece sem resistência. O movimento educacional, professores, trabalhadores e, sobretudo os estudantes deram um recado claro nas ruas no mês de maio nos dias 15 e 30, e na greve geral do dia 14 de Junho. Não aceitaremos os cortes na educação! Não aceitaremos esse aparelhamento do MEC e os ataques à democracia e à autonomia universitária! Queremos mais investimentos e um projeto que contribua para o fortalecimento da nossa educação, que seja também crítica e contribua para o desenvolvimento e a soberania do nosso país.

Entendemos que a educação pra além de ser um setor essencial para a formação do nosso povo e a superação de desigualdades, deve ser também a principal ferramenta para tirar nosso país da crise. Por isso seguiremos nas ruas, no terceiro dia nacional em defesa da educação em 13 de agosto, contra o governo Bolsonaro e seus ataques, lutando por mais investimentos e valorização das nossas universidades, escolas, da ciência e tecnologia, por mais emprego e aposentadoria digna.

Brasília, 14 de julho de 2019.

 Por  Publicado em 18 de julho de 2019

 

Carteirinha da UMES

 

Doc Estudante 2019 UMES fte Alta Cartaz
 

 

Informações

 

CPCUmesFilmes Logo fundo branco

 

 

 

Parceiros 

sptrans

 

  

casa mestre ananias

 

 

 

Fique bem informado

 

hp

 

 

icone-apeoesp

 

 

icone-campanha-educacao

  

  

cropped-capasitecomite-1

Comitê de Luta pela 
Educação Sem Censura

 

   

portal do bixiga

 

 

logo anpof2

Associação Nacional de

Pós-Graduação em Filosofia

 

pornoimpala.info pornopingvin.com
Yurtdışı Eğitim Makedonya Avrupa Üniversitesi Makedonya Eğitim Saraybosna Üniversitesi Saraybosna Üniversitesi Saraybosna Üniversitesi Saraybosna Üniversitesi Saraybosna Üniversitesi Bosna Hersek Üniversiteleri Bosna Hersek Üniversiteleri Bosna Hersek Üniversiteleri Bosna Hersek Üniversiteleri Bosna Hersek Üniversiteleri Travnik Üniversitesi Travnik Üniversitesi Travnik Üniversitesi Saraybosna Üniversiteleri Makedonya Üniversiteleri Struga Üniversitesi Kiril Metodi Üniversitesi Bulgaristanda Eğitim Bulgaristanda Eğitim Bulgaristan Üniversiteleri Bulgaristan Üniversitesi Bulgaristan Üniversiteleri Ukrayna Üniversiteleri Ukrayna Üniversiteleri Ukraynada Üniversite Ukrayna Üniversiteleri Malta Dil Okulları Gürcistan üniversiteleri Gürcistan Eğitim Malta Dil Okulu Malta Nerede ingiltere Dil Okulları ESE Malta Dil Okulu Лазерна Епилация Пловдив Лазерна Епилация Пловдив Лазерна Епилация Пловдив Лазерна Епилация Пловдив