facebook INSTA

Crescimento do PIB de 2013 é menor do que a média mundial

Média de 2% de crescimento nos últimos três anos é inferior a média de 2,3% do governo FH

 

No dia 11 do mês passado, o Banco da Indonésia – o banco central daquele país – divulgou o crescimento do PIB indonésio em 2013: +5,8%.

No dia 28, a Índia publicou o resultado de seu crescimento: +4,7%.

Um pouco antes, o Ministério das Finanças de Angola revelara que o país crescera +7,4% em 2013.

O Banque Centrale du Congo ainda não divulgou um número definitivo, mas fez uma estimativa do crescimento da economia congolesa: +8,1% em 2013.

Já o Banco Nacional do Tadjikistão, ao anunciar os resultados do quarto trimestre do ano passado, revelou que o país cresceu +7,4% em 2013.

Para não dizer que não falamos (bem) dos vizinhos, o Instituto Nacional de Estatística e Censos (Indec) anunciou no último dia 21 que a Argentina cresceu +4,9% em 2013. E o leitor não deveria ter preconceitos em relação ao crescimento de +14,1% do Paraguai – afinal, os brasileiros tiveram um importante papel nesse resultado.

Ou em relação a Bangladesh, onde o Banco de Bangladesh anunciou que em 2013, a economia cresceu +6,01%.

Mas, tudo bem, se o leitor prefere outros ambientes geográficos – ou financeiros -, o Banco Nacional da Malásia publicou o crescimento de seu país no ano passado: +4,7%. Os malaios cresceram mais que os suecos (+3,1%) e os lituanos (+3,3%).

Aqui, preferimos não usar resultados que ainda não são do ano - como os da Bolívia, até o terceiro trimestre em +6,83% e da Colômbia (+5,1% no terceiro trimestre) – mas é evidente que eles são tão válidos e importantes quanto os últimos registros do FMI, em que a média dos países “emergentes e em desenvolvimento” está em +4,7%.

Bem, leitores, esses são alguns exemplos, que nada têm de exaustivos. Nem precisam ser.

De onde, então, alguns débeis mentais, e outros nem tanto, tiraram a história de que a economia do país, debaixo de um bombardeio de juros e baionetadas de entreguismo, foi a terceira que mais cresceu no mundo em 2013?

Pois, do IBGE é que não foi. O quadro exibido pelo IBGE no anúncio do PIB era absolutamente claro. Seu título era: “PIB no ano de 2013: Brasil x países selecionados Seleção não exaustiva de países que já divulgaram suas Contas de 2013. A análise serve apenas para comparação; não oferece qualquer tipo de hierarquização (ranking) (v. slide 29 da apresentação “PowerPoint” do IBGE, grifos nossos).

O quadro servia para demonstrar que, com a medíocre taxa de 2,3%, o crescimento da economia brasileira ficara abaixo da média mundial (3% - número inscrito dentro de um quadro verde, de onde partia uma linha, também verde, que deixava ainda mais evidente a estupidez do pífio resultado a que o governo Dilma levou a economia).

No entanto, no dia seguinte, toda a imprensa dilmista - “Folha”, “Estadão” e seus satélites – repetia a besteira do “terceiro do mundo” em relação a uma taxa de crescimento que nem chegara àquela melancólica taxa do primeiro ano de governo.

É possível – aliás, é quase certo – que muitas pessoas tenham sido enganadas. Mas essa é exatamente a questão: a realidade cobra um preço muito alto de certos enganos. Ser um incauto não é uma atenuante, mas até um agravante – ou será que aqueles que se deixaram enganar por Mussolini também não tiveram culpa na tragédia que, em seguida, quase destruiu completamente a Itália?

Essas comemorações ridículas de uma taxa medíocre, para passar um crescimento minúsculo como se fosse um desenvolvimento getulista, não se diferenciam, do ponto de vista ideológico, em rigorosamente nada – absolutamente nada – daquelas tentativas de anular as pessoas, de passar a mentira como verdade, o que não é realidade como se o fosse, tão próprias dos fascistas – não faltou nem o apoio da reação mais aberta, direitista e sem vergonha - essa mídia pró-imperialista, antidemocrática e antipopular.

Imaginemos se uma taxa de 2,3% fosse a terceira do mundo. Provavelmente, o mundo estaria próximo de acabar por falta de desenvolvimento das forças produtivas. Deve existir algum doido que acredite que essa é a forma de construir o socialismo (?!).

Mas não é, não. Socialismo algum se constrói pela mentira, pela ilusão, pela grosseira manipulação. Nem, muito menos, ignorando a Nação e traindo a vontade do povo expressa nas urnas: entregando a monopólios financeiros externos as reservas de petróleo, os aeroportos, as ferrovias, as estradas, a eletricidade – em suma, tudo o que precisamos para crescer e construir um país desenvolvido e justo – e forçando nossas empresas a passarem ao controle de fundos especulativos estrangeiros e/ou multinacionais. E fazendo a política social que corresponde a essa política econômica: esculhambando os serviços públicos, a Educação pública, a Saúde pública, tirando dinheiro das pesquisas para enviar jovens a um curso de inglês no exterior – em síntese, fazendo do dinheiro público um latifúndio privatizado de especuladores, aventureiros e negocistas de outras plagas.

Talvez haja quem seja entreguista apenas porque é preguiçoso ou não tem coragem ou capacidade – pensando bem, deve ser esse o caso mais evidente. O entreguista é, antes de tudo, um covarde e um incapaz.

Daí o maravilhoso governo que desembocou nesses 2,3% de crescimento. A média de 2% de crescimento nos últimos três anos, com exceção do malfadado Collor – hoje também um dilmista – é o menor crescimento que um presidente da República já obteve no país. Consegue ser, mesmo, inferior a Fernando Henrique – que teve por média, exatamente, 2,3%, considerada uma das médias de crescimento mais desastrosas da História do Brasil.

Mas é exatamente isso o que estão tentando fazer os comemoradores dos 2,3% de crescimento do PIB: sacramentando que o PIB tucano é o colosso dos colossos.

Durante toda a história da República, apesar de governos desastrosos – Campos Sales et caterva – a média de crescimento do país foi 4,5% e a mediana 4,7%.

Agora, diz o “The Economist”, o órgão oficial dos monopólios financeiros externos, “o novo normal para os brasileiros” são as taxas de crescimento do governo Dilma.

E ainda existe quem pose de “esquerda” e até de “muito esquerda” com essa adesão vergonhosa ao que existe de mais direitista, de mais fascista e de mais antinacional - portanto, de mais anti-humano - no mundo.

Pois, não é de “esquerda” quem não luta pela sua Nação e por seu povo. Por consequência, Byron estava inteiramente certo quando disse que “quem não ama a sua Pátria, não ama coisa alguma”.

 

CARLOS LOPES

Fonte: Hora do Povo

Carteirinha da UMES

 

Doc Estudante 2019 UMES fte Alta Cartaz
 

 

Informações

 

CPCUmesFilmes Logo fundo branco

 

 

 

Parceiros 

sptrans

 

  

casa mestre ananias

 

 

 

Fique bem informado

 

hp

 

 

icone-apeoesp

 

 

icone-campanha-educacao

  

  

cropped-capasitecomite-1

Comitê de Luta pela 
Educação Sem Censura

 

   

portal do bixiga

 

 

logo anpof2

Associação Nacional de

Pós-Graduação em Filosofia

 

pornoimpala.info pornopingvin.com
Yurtdışı Eğitim Makedonya Avrupa Üniversitesi Makedonya Eğitim Saraybosna Üniversitesi Saraybosna Üniversitesi Saraybosna Üniversitesi Saraybosna Üniversitesi Saraybosna Üniversitesi Bosna Hersek Üniversiteleri Bosna Hersek Üniversiteleri Bosna Hersek Üniversiteleri Bosna Hersek Üniversiteleri Bosna Hersek Üniversiteleri Travnik Üniversitesi Travnik Üniversitesi Travnik Üniversitesi Saraybosna Üniversiteleri Makedonya Üniversiteleri Struga Üniversitesi Kiril Metodi Üniversitesi Bulgaristanda Eğitim Bulgaristanda Eğitim Bulgaristan Üniversiteleri Bulgaristan Üniversitesi Bulgaristan Üniversiteleri Ukrayna Üniversiteleri Ukrayna Üniversiteleri Ukraynada Üniversite Ukrayna Üniversiteleri Malta Dil Okulları Gürcistan üniversiteleri Gürcistan Eğitim Malta Dil Okulu Malta Nerede ingiltere Dil Okulları ESE Malta Dil Okulu Лазерна Епилация Пловдив Лазерна Епилация Пловдив Лазерна Епилация Пловдив Лазерна Епилация Пловдив