facebook INSTA

Desemprego industrial cresce há 28 meses e Dilma faz que não vê

Os postos de trabalho fechados no período já ultrapassam os 220 mil.
São Paulo (-3,1%), Rio Grande do Sul (-3,3%), Paraná (-2,3%), Rio (-1,8%), Minas (-1,4%), Bahia (–3,2%)
 
Os resultados da Pesquisa Industrial Mensal de Emprego e Salário (PIMES), do IBGE, com uma queda – a 28ª consecutiva – de -2% nos trabalhadores empregados na indústria em janeiro (comparado a janeiro de 2013), são uma consequência direta da desindustrialização e da transformação da indústria interna numa coleção de maquiadoras de produtos importados.
Não é, de nenhuma forma, engraçado (nem da mesma forma como certas imbecilidades e certos imbecis conseguem ser, às vezes, cômicos), as historietas, aparecidas na mídia, sobre o grande (ou pequeno, tanto faz) aumento de produtividade que estaria provocando a queda do emprego na indústria.
Achar graça de coisas imbecis tem um limite: quando se tornam cinismo e/ou canalhice.
Pelo contrário: o problema, tanto do emprego industrial quanto da produtividade, é a produção industrial estagnada ou declinante. Com o governo destruindo a indústria através de uma taxa de câmbio que continua favorecendo as importações – inclusive com intervenções do BC no “mercado do dólar”, com gasto de reservas, para manter o dólar artificialmente baixo em relação ao real – e com oito (o nono a caminho) aumentos de juros seguidos, como esperar que seja diferente?
Na página ao lado, o leitor poderá ver as considerações do governador Eduardo Campos sobre o déficit de US$ 105 bilhões no comércio de manufaturados. Em valor, nós importamos U$ 198 bilhões e exportamos apenas US$ 93 bilhões. As importações de manufaturados foram, em preço, 82,68% das importações totais do país em 2013.
Além do fato de que os produtos manufaturados foram apenas 38,44% das nossas exportações (no início de 2005, 80% da pauta de exportações era composta por produtos industrializados), chama a atenção o aumento da quantidade (o “quantum”) das importações.
Em 2013, a quantidade de importações, em relação ao ano anterior, aumentou, sobretudo, nas seguintes categorias de produtos:
1) (insumos para) extração de minerais metálicos (+53,9%);
2) (insumos para) extração de petróleo e gás natural (+26,9%);
3) (insumos para) fabricação de produtos de metal (+12,9%);
4) máquinas e materiais elétricos (+12,9%);
5) produtos químicos (+12,6%);
6) derivados de petróleo (+12,0%);
7) confecção de artigos de vestuário (+11,3%);
8) veículos automotores (+10,2%);
9) produtos de borracha e de material plástico (+10,2%);
10) móveis (+8,6%);
11) produtos farmoquímicos e farmacêuticos (+9,2%);
12) produtos têxteis (+4,0%);
13) extração de minerais não-metálicos (+10,5%);
14) pesca e aquicultura (+13,5%);
15) agricultura e pecuária (+11,4%).
(cf. FUNCEX, Boletim de Comércio Exterior - Índices de preço e quantum, ano XVIII, n° 1, Jan/2014)
Bem, leitor, expusemos esta lista por uma única razão: é evidente, para qualquer sujeito de bom senso, que isso é uma esculhambação (permitam-nos o uso do coloquial brasileiro).
Qual será desses produtos que não temos condição de fabricar? Quase nenhum, se é que existe algum.
No entanto, estamos aumentando a quantidade das importações de produtos ridículos – até de cortadores de unha, algo que julgávamos encerrado com o fim do governo Fernando Henrique.
Assim, em nenhuma comparação do IBGE houve resultado positivo no emprego industrial em janeiro:
1) jan 2014/jan 2013: -2,0%;
2) acumulado 12 meses: -1,2%;
3) jan 2014/dez 2013: zero.
Houve redução do emprego na indústria em 2012 (-1,4%) e 2013 (-1,1%).
Agora, em janeiro, a redução do emprego atingiu (ou continuou atingindo) a indústria exatamente nos principais Estados industriais: São Paulo (–3,1%), Rio Grande do Sul (–3,3%), Paraná (–2,3%), Rio (-1,8%), Minas Gerais (–1,4%), Bahia (–3,2%). O emprego industrial na região Sudeste caiu -2,6% e na região Nordeste, -2,2% (sempre em relação ao mesmo mês do ano anterior).
Do ponto de vista dos setores industriais, o emprego (também pela mesma comparação) caiu nos setores de: máquinas e equipamentos (–5,6%), produtos de metal (–6,0%), calçados e couro (–6,6%), máquinas e aparelhos eletroeletrônicos e de comunicações (–4,8%), produtos têxteis (–5,8%), meios de transporte (–1,8%), “outros produtos da indústria de transformação” (–2,6%), refino de petróleo e produção de álcool (–5,8%) e mais seis outros setores. Dos 18 setores pesquisados pelo IBGE, o emprego caiu em 14 deles.
Evidentemente, quando se segue a estupidez de que as multinacionais devem tomar a indústria brasileira, não pode acontecer outra coisa senão a destruição, total ou parcial, da indústria – em geral, hoje em dia, a instalação de maquiadoras ou a substituição da indústria por balcões para o comércio de importados já acabados.
Porém, diz a presidente Dilma que bom mesmo foi fevereiro. Janeiro que se lasque. Uai, e 2012? E 2013? Não sabemos como a presidente pode ignorar a realidade desse jeito, leitor. E os 28 meses de queda no emprego industrial – exatamente o setor chave para o crescimento e para melhor distribuição de renda, já que paga melhores salários do que os subempregos que grassaram nos últimos anos?
Pelo visto, ela considera que não são um problema do governo. É o que acontece quando não se quer governar, talvez por inapetência, tendo por projeto a falta de projeto, isto é, a entrega do país a quem não é do país – mais exatamente, a quem é inimigo do país. E assim se vai em direção a, no melhor dos casos, uma convulsão social.
 
CARLOS LOPES
Fonte: Hora do Povo

Carteirinha da UMES

 

Doc Estudante 2019 UMES fte Alta Cartaz
 

 

Informações

 

CPCUmesFilmes Logo fundo branco

 

 

 

Parceiros 

sptrans

 

  

casa mestre ananias

 

 

 

Fique bem informado

 

hp

 

 

icone-apeoesp

 

 

icone-campanha-educacao

  

  

cropped-capasitecomite-1

Comitê de Luta pela 
Educação Sem Censura

 

   

portal do bixiga

 

 

logo anpof2

Associação Nacional de

Pós-Graduação em Filosofia

 

pornoimpala.info pornopingvin.com
Yurtdışı Eğitim Makedonya Avrupa Üniversitesi Makedonya Eğitim Saraybosna Üniversitesi Saraybosna Üniversitesi Saraybosna Üniversitesi Saraybosna Üniversitesi Saraybosna Üniversitesi Bosna Hersek Üniversiteleri Bosna Hersek Üniversiteleri Bosna Hersek Üniversiteleri Bosna Hersek Üniversiteleri Bosna Hersek Üniversiteleri Travnik Üniversitesi Travnik Üniversitesi Travnik Üniversitesi Saraybosna Üniversiteleri Makedonya Üniversiteleri Struga Üniversitesi Kiril Metodi Üniversitesi Bulgaristanda Eğitim Bulgaristanda Eğitim Bulgaristan Üniversiteleri Bulgaristan Üniversitesi Bulgaristan Üniversiteleri Ukrayna Üniversiteleri Ukrayna Üniversiteleri Ukraynada Üniversite Ukrayna Üniversiteleri Malta Dil Okulları Gürcistan üniversiteleri Gürcistan Eğitim Malta Dil Okulu Malta Nerede ingiltere Dil Okulları ESE Malta Dil Okulu Лазерна Епилация Пловдив Лазерна Епилация Пловдив Лазерна Епилация Пловдив Лазерна Епилация Пловдив