facebook INSTA

Arrocho salarial começa a parar as universidades públicas federais

Professores universitários e outras categorias do funcionalismo estão em luta contra o arrocho salarial

 

A paralisação dos técnico-administrativos contra o arrocho salarial já atinge 23 universidades federais. Na segunda-feira (24) pararam a Universidade Federal do Espírito Santo (UFES), Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), Universidade Federal de São João del Rei (UFSJ) e Universidade Federal do Tocantins (UFT). Na sexta-feira (21), foi a vez dos servidores da Federal de Mato Grosso (UFMT), e na quinta ( 20), Universidade Federal de Alagoas (UFAL), Universidade Federal do Paraná (UFPR), Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UFTPR) e Universidade Federal do Piauí (UFPI).

Os funcionários técnico-administrativos, organizados pela Fasubra (Federação de Sindicatos dos Trabalhadores Técnico-Administrativos em Instituições de Ensino Públicas do Brasil), estão em greve decretada desde o dia 17. Os servidores reivindicam a antecipação da parcela de reajuste prevista para janeiro de 2015, conquistada após a greve de 2012, quando os servidores federais de todas as categorias receberam a proposta de reajuste do governo, que consistia em 15% dividido em três anos. No entanto, o índice de cerca de 5% concedido este ano não cobriu sequer a inflação, medida em 5,91%. Ou seja, este ano os servidores não tiveram nenhum aumento real.

Os servidores cobram a resposta às suas reivindicações, mas até agora o governo federal vem postergando, insistindo na sua política de arrochar o funcionalismo público para fazer superávit primário (dinheiro reservado pelo governo para pagamento de juros aos bancos e demais especuladores). Ao contrário de negociar com a categoria, o governo lança mão de subterfúgios, a exemplo da nota do Ministério da Educação (MEC), dizendo que a greve organizada pela Fasubra é "unilateral" e que "o acordo assinado pela Fasubra é o segundo melhor firmado por uma categoria com o governo federal". Os líderes dos servidores rebatem o governo e mostram como a categoria vem tendo pesadas perdas salariais além de condições de trabalho cada vez piores. Segundo Emerson Oliveira, coordenador geral do Sintufal (Sindicato dos Trabalhadores da UFAL), o governo não cumpriu o acordo na íntegra. "Tivemos um acordo com o governo em 2012, mas até agora não foi cumprido. Então estamos aqui para cobrar pela database, período em que o trabalhador tem reajuste de salário, reforma da previdência, a não privatização do HU [Hospital Universitário] e uma política salarial que defenda o servidor".

A mobilização dos servidores se amplia contra a intransigência e o arrocho do governo. Ao movimento dos técnicos-administrativos juntam-se os professores das universidades. Os docentes realizaram na quarta-feira (19) uma mobilização nacional por melhores salários, reestruturação da carreira da categoria e condições de trabalho. De acordo com a ANDES-SN (Sindicato Nacional dos Docentes das Instituições de Ensino Superior), que aglutina os professores das universidades federais, a mobilização da semana passada foi apenas o começo. "Em 2012, o governo impôs um projeto, que não foi referendado pela categoria, e agora nos diz ‘aceitem essa situação como dada’ e em 2016 poderemos negociar. A categoria está exigindo uma resposta, que tem que vir logo, pois a mobilização está sendo feita agora. Isso não é uma ameaça e sim uma apresentação do nosso cenário. Temos uma agenda de mobilização em andamento", ressaltou Márcio de Oliveira, secretário-geral do ANDES-SN. "A precarização das nossas condições de trabalho é visível. Além disso, um estudo que desenvolvemos junto com o Dieese aponta que quase a totalidade da categoria já teve seus salários corroídos pela inflação, mesmo com o reajuste", avaliou Luiz Henrique Schuch, 1º vice-presidente do ANDES-SN.

 

GERAL

Nesta terça-feira, 25, o Fórum Nacional em Defesa dos Servidores e Serviços Públicos, composto por 31 entidades, reúne-se mais uma vez na sede da Condsef (Confederação dos Trabalhadores no Serviço Público Federal). A categoria avalia a possibilidade de lançar uma greve geral caso o governo mantenha a postura intransigente com os trabalhadores.

Em plenária nacional realizada na quinta-feira (20), com mais de 260 servidores entre delegados e observadores de 23 estados e o Distrito Federal, a Condsef aprovou a continuidade da construção de uma greve geral. Os servidores organizam um Dia Nacional de Lutas com paralisação no dia 9 de abril para continuar reivindicando. A Condsef adverte que o tratamento que o governo tem dado às demandas apresentadas pelos servidores federais está acirrando cada vez mais os ânimos da categoria, e avisa que "a palavra de ordem é pressionar".

Além do reajuste, a categoria ainda reivindica aprimoramento da carreira, reconhecimento dos cursos de mestrado e doutorados fora do Brasil, turnos contínuos com jornada de 30h sem redução salarial, o reposicionamento dos aposentados, o fim do avanço privado dentro da universidade, dentre outras coisas.

"Os problemas vistos e sentidos pela população têm origem no baixo nível dos investimentos públicos ao longo dos anos. A falta de uma política de Estado forte cobra sua conta justamente daqueles que já pagam caro por ela: a população brasileira (...) O ato realizado na quarta (19) serviu para que as entidades voltassem a cobrar do governo respostas formais à pauta da campanha salarial unificada dos [servidores] federais", avalia a entidade.

 

Fonte: Hora do Povo

Carteirinha da UMES

 

Doc Estudante 2019 UMES fte Alta Cartaz
 

 

Informações

 

CPCUmesFilmes Logo fundo branco

 

 

 

Parceiros 

sptrans

 

  

casa mestre ananias

 

 

 

Fique bem informado

 

hp

 

 

icone-apeoesp

 

 

icone-campanha-educacao

  

  

cropped-capasitecomite-1

Comitê de Luta pela 
Educação Sem Censura

 

   

portal do bixiga

 

 

logo anpof2

Associação Nacional de

Pós-Graduação em Filosofia

 

pornoimpala.info pornopingvin.com
Yurtdışı Eğitim Makedonya Avrupa Üniversitesi Makedonya Eğitim Saraybosna Üniversitesi Saraybosna Üniversitesi Saraybosna Üniversitesi Saraybosna Üniversitesi Saraybosna Üniversitesi Bosna Hersek Üniversiteleri Bosna Hersek Üniversiteleri Bosna Hersek Üniversiteleri Bosna Hersek Üniversiteleri Bosna Hersek Üniversiteleri Travnik Üniversitesi Travnik Üniversitesi Travnik Üniversitesi Saraybosna Üniversiteleri Makedonya Üniversiteleri Struga Üniversitesi Kiril Metodi Üniversitesi Bulgaristanda Eğitim Bulgaristanda Eğitim Bulgaristan Üniversiteleri Bulgaristan Üniversitesi Bulgaristan Üniversiteleri Ukrayna Üniversiteleri Ukrayna Üniversiteleri Ukraynada Üniversite Ukrayna Üniversiteleri Malta Dil Okulları Gürcistan üniversiteleri Gürcistan Eğitim Malta Dil Okulu Malta Nerede ingiltere Dil Okulları ESE Malta Dil Okulu Лазерна Епилация Пловдив Лазерна Епилация Пловдив Лазерна Епилация Пловдив Лазерна Епилация Пловдив