facebook INSTA

Ensino básico: servidores federais iniciam greve contra aumento zero

Sindicato: “servidores estão dando resposta ao governo Dilma por sua intransigência”

 

O Sindicato Nacional dos Servidores Federais da Educação Básica, Profissional e Tecnológica (Sinasefe), que reúne professores e funcionários do setor, iniciou greve por tempo indeterminado nesta terça-feira.

A greve, que se soma à mobilização nacional dos servidores públicos federais, em campanha salarial unificada, foi aprovada durante o 28º Congresso da entidade no final de março. Desde o encontro, cerca de 50 campi de 11 estados já realizaram assembleias aderindo à paralisação, entre eles o Instituto Federal de Alagoas (IFAL), Instituto Federal do Acre (IFAC), os campi Campos dos Goytacazes Centro, Macaé e Quissamã do Instituto Federal Fluminense, o Instituto Nacional de Educação de Surdos (Ines), o campus de Goiânia do Instituto Federal de Goiás, o campus Itapetininga do Instituto Federal Baiano, o campus Castanhal do Instituto Federal do Pará, o campus Maracanã do Instituto Federal do Maranhão, o campus de Caruaru do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Pernambuco. Novas assembleias estão marcadas para esta semana.

A principal reivindicação dos servidores é reajuste salarial com a antecipação do índice previsto para 2015, de 5% - o índice é resultado da negociação da greve realizada em 2012. Como o reajuste concedido este ano sequer repôs a inflação, os servidores reivindicam a antecipação e a reabertura de negociação. O funcionalismo reivindica ainda a definição da data base dos profissionais em maio, reestruturação da carreira dos técnicos administrativos e dos docentes, 10% do PIB para a Educação Pública, entre outros pontos.

De acordo com o presidente do Sinasefe, Paulo Caxinguelê, “desde meados de 2013, estamos esperando uma negociação com o Governo Federal”, mas sem sucesso.

“A base do Sinasefe está dando a resposta ao governo Dilma por sua intransigência e desrespeito aos servidores: nossa greve, recém deflagrada, vai ser forte”, convoca o sindicato ressaltando que “a partir de agora e até que o governo atenda nossas reivindicações, estaremos em greve”.

Já em greve desde 17 de março, os técnicos administrativos das universidades federais também intensificaram a mobilização e pressionaram o governo federal exigindo a reabertura de negociação na última audiência pública com o representante do Ministério do Planejamento, Sérgio Mendonça, na Câmara dos Deputados.

Conforme a Federação de Sindicatos de Trabalhadores Técnicos Administrativos em Instituições de Ensino Superior Públicas do Brasil (Fasubra), a representação da entidade na audiência “afirmou que o resultado da Greve de 2012 não foi fruto de uma negociação e sim de uma imposição por parte do Governo Federal; imposição essa que se resumiu em aceitar ou não a proposta de reajuste salarial de 15% dividido em 3 parcelas (de 2013 à 2015), pois para ser um processo negocial deveria haver uma ressalva garantindo a reposição inflacionária  desse período”. Desde o início da paralisação já são 37 unidades paradas.

Os servidores também já realizaram duas marchas à Brasília e uma nova está sendo convocada para o dia 7. Os manifestantes se concentrarão em frente ao Bloco K - prédio que abriga o Ministério de Planejamento - para cobrar negociação em torno da pauta unificada dos servidores públicos, protocolada no início de fevereiro.

Até o momento o governo vem se recusando a negociar com o funcionalismo. O Ministério do Planejamento chegou a formalizar em documento resposta às reivindicações reafirmando que não atenderá a pauta dos funcionários públicos.

Entidades emitiram notas de repúdio à postura do governo. A greve ganhou também o apoio de entidades estudantis. O presidente da Federação dos Estudantes de Campos, no Rio de Janeiro, Maycon Prado, considera que “a greve agora é necessária. Os salários dos professores e funcionários das IFE são aviltantes, não há estrutura nas escolas e o governo se recusa a negociar. Fica enchendo o bolso dos banqueiros de dinheiro, com juros estratosféricos, enquanto os professores amargam perdas salariais desde a década de 90, sendo que recebem muito menos do qualquer outro profissional com nível superior”.

O grêmio estudantil Itapetinguense São Felix (GEISF), do IF Baiano soltou uma nota em que declara seu total apoio ao movimento “por melhoras de condições de trabalho, valorização profissional dos trabalhadores e trabalhadoras da Rede Federal de Ensino e melhoras estruturais nos IFEs”.

Nos dias 26 e 27 será realizada uma plenária do Sinasefe, em Brasília-DF, que - dentre outras pautas - será responsável pela formação do Comando Nacional de Greve.

 

Fonte: Hora do Povo

Carteirinha da UMES

 

Doc Estudante 2019 UMES fte Alta Cartaz
 

 

Informações

 

CPCUmesFilmes Logo fundo branco

 

 

 

Parceiros 

sptrans

 

  

casa mestre ananias

 

 

 

Fique bem informado

 

hp

 

 

icone-apeoesp

 

 

icone-campanha-educacao

  

  

cropped-capasitecomite-1

Comitê de Luta pela 
Educação Sem Censura

 

   

portal do bixiga

 

 

logo anpof2

Associação Nacional de

Pós-Graduação em Filosofia

 

pornoimpala.info pornopingvin.com
Yurtdışı Eğitim Makedonya Avrupa Üniversitesi Makedonya Eğitim Saraybosna Üniversitesi Saraybosna Üniversitesi Saraybosna Üniversitesi Saraybosna Üniversitesi Saraybosna Üniversitesi Bosna Hersek Üniversiteleri Bosna Hersek Üniversiteleri Bosna Hersek Üniversiteleri Bosna Hersek Üniversiteleri Bosna Hersek Üniversiteleri Travnik Üniversitesi Travnik Üniversitesi Travnik Üniversitesi Saraybosna Üniversiteleri Makedonya Üniversiteleri Struga Üniversitesi Kiril Metodi Üniversitesi Bulgaristanda Eğitim Bulgaristanda Eğitim Bulgaristan Üniversiteleri Bulgaristan Üniversitesi Bulgaristan Üniversiteleri Ukrayna Üniversiteleri Ukrayna Üniversiteleri Ukraynada Üniversite Ukrayna Üniversiteleri Malta Dil Okulları Gürcistan üniversiteleri Gürcistan Eğitim Malta Dil Okulu Malta Nerede ingiltere Dil Okulları ESE Malta Dil Okulu Лазерна Епилация Пловдив Лазерна Епилация Пловдив Лазерна Епилация Пловдив Лазерна Епилация Пловдив