facebook INSTA

Metrô-SP: Governo responde à greve com demissão e violência

Após cinco dias de greve, os metroviários ainda enfrentam a intransigência do governo do estado de São Paulo que, ao invés de negociar com a categoria, virou as costas às reivindicações, prendeu trabalhadores, acionou a tropa de choque, agrediu funcionários e demitiu 42 grevistas.

O governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), declarou nesta segunda-feira, 9, que a proposta de reajuste de 8,7% oferecida pelo governo será mantida, bem como as demissões, ao contrário do que reivindicavam os manifestantes. “O reajuste já foi definido. É aquele que o governo ofereceu. Não tem mais o que discutir”, declarou o governador.

Em assembleia realizada no início da noite desta segunda, o Sindicato dos Metroviários de São Paulo decidiu suspender a greve até esta quarta-feira, 11, e manter o estado de greve. A assembleia aconteceu após uma reunião entre o sindicato, o secretário de Transportes Metropolitanos, Jurandir Fernandes, o superintendente regional do Trabalho e Emprego em São Paulo, Luiz Antonio Medeiros, e representantes das Centrais Sindicais, que terminou sem acordo.

Os metroviários foram à reunião buscando resolver o impasse e, principalmente, garantir o emprego dos 42 trabalhadores que foram demitidos por justa causa – o que resultaria em não recebimento de nenhum dos direitos previstos em lei para os demitidos. Mas o governo novamente não aceitou negociar.

Segundo Medeiros, faltou pouco para que fosse fechado um acordo. “Estranhamente, nós tínhamos recebido um sinal verde [do secretário da Casa Civil, Edson Aparecido] para resolver isso, e discutimos exaustivamente. O presidente do Metrô [Luiz Antonio Carvalho Pacheco] concordou [com a readmissão dos 42], exceto duas pessoas que não seriam readmitidas. Achamos que o acordo estava feito, mas quando foi consultar [o governador], o Palácio [dos Bandeirantes] disse não”, relata o superintendente.

Altino de Melo Prazeres Júnior, presidente do Sindicato dos Metroviários, chegou a declarar antes da reunião que ameaças de demissões por parte do governo estadual podem piorar a situação: “Acho que o governo está indo para um campo que aumenta o problema, em vez de diminuir. Tem espaço para negociação, queremos resolver, espero que isso aconteça ainda hoje”.

Os metroviários apresentaram reivindicação de reajuste em 16,5% nos salários e demais benefícios, plano de carreira - em especial para funcionários da segurança e da manutenção -, além de aumento na PLR (Participação nos Lucros e Resultados) e auxílio-creche. Eles chegaram a diminuir a reivindicação para 12,2% para procurar o acordo, mas afirmaram que não aceitariam reajuste abaixo de dois dígitos. No entanto, o governo insistiu em encerrar a negociação com 8,7%. Isso diante do aumento de “dois dígitos” de itens básico para o consumo, como carnes, energia, aluguel residencial, etc. (Ver matéria na página 2). 

PM de Alckmin agride e prende manifestantes

Ainda durante a manhã de segunda os metroviários se reuniram para uma manifestação em frente à estação Ana Rosa do Metrô, na zona sul da capital. Por volta das 6h40, a Tropa de Choque da Polícia Militar (PM) apareceu e atacou os manifestantes com bombas de gás lacrimogêneo e gás de pimenta. 13 metroviários foram presos e levados para 36ª Delegacia de Polícia, localizada na Rua Tutóia. Esta não foi a primeira vez que houve confronto com a polícia. Na sexta-feira, 6, os funcionários que ocupavam a estação Ana Rosa foram expulsos pela Tropa de Choque da PM por meio de bombas de efeito moral e golpes de cacetete.

Depois do confronto pelo menos centenas pessoas seguiram em marcha até a Praça da Sé e pararam na Rua Boa Vista, em frente à Secretaria de Transportes, exigindo negociação com o governador. Também diversas entidades sociais, centrais sindicais e sindicatos apoiaram os metroviários com uma manifestação na capital.

Fábio Bosco, metroviário, disse ter sido ferido na testa durante o confronto com a PM. “Eles [os policiais] entraram agredindo todos que ali estavam. A forma da agressão foi jogar os escudos sobre nós e atingir a gente com golpes de cassetete de borracha. Também usaram gás contra nós. Colocaram a tropa de choque dentro da estação do metrô, um espaço confinado, é um absurdo fazer isso”, reclamou. 

Governos estadual e federal respaldam decisão da Justiça que atenta contra o direito de greve

No domingo, o Tribunal Regional do Trabalho da 2ª Região, ao invés de mediar à situação para encontrar um acordo, considerou a greve abusiva e estipulou uma multa de R$ 500 mil por dia de paralisação.

Na quarta-feira anterior à greve, o TRT já havia concedido liminar obrigando os trabalhadores a manterem 100% da frota em operação nos horários de pico, e ao menos 70% no restante do período, numa clara tentativa de suspensão do direito de greve dos trabalhadores.

De acordo com Jorge Luiz Souto Maior, jurista e professor livre docente de direito do trabalho brasileiro na USP, diante do anúncio da greve, o Metrô, “em vez de iniciar negociação, como determina a lei, se socorreu da via judicial, por meio de ação cautelar, para impedir a ocorrência da greve”. “Essa foi, portanto, a primeira ilegalidade cometida pelo Metrô, que pode ser vista, inclusive, como ato antissindical, o que é coibido pela Convenção 98 da OIT, ratificada pelo Brasil, e já mereceria repúdio imediato do Judiciário.”

Para o jurista, ao se valer da decisão judicial que obriga os metroviários a manterem 100% da frota em funcionamento no horário de pico, Metrô e governo “descumpriram sua obrigação legal de definirem essa questão de comum acordo com os trabalhadores, cometendo grave ato de natureza antissindical”.

Em entrevista à TV Globo, o secretário de Transportes Metropolitanos Jurandir Fernandes, disse que “depois do resultado do TRT, ainda insistir na greve é uma medida tresloucada, completamente insana. O bom senso deve prevalecer nessa reta final. Eles não só podem, como devem ser demitidos por justa causa. É uma obrigação”, ameaçou o secretário.

O sindicato dos metroviários de São Paulo enviou uma carta aberta à presidente Dilma Rousseff pedindo para ela intervir no impasse junto ao governo do Estado. A carta diz que “fizemos todos os esforços para evitar que a greve causasse prejuízos à população (sugerimos a realização de greve com catraca livre e funcionamento normal do Metrô) e para alcançar um acordo de maneira rápida e satisfatória. No entanto, o governador do Estado Geraldo Alckmin e o secretário Estadual dos Transportes Metropolitanos, Jurandir Fernandes, não permitiram evolução nas negociações com o sindicato e os trabalhadores”.

Não houve resposta por parte da presidente, mas o ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, respaldou a tentativa do governo estadual e da Justiça de barrar o direito de greve: “No Estado de Direito nós temos que respeitar as regras que estão postas. O tribunal decidiu, e, então, isto tem que ser levado em conta pelos trabalhadores que, acredito eu, não podem colocar neste momento o interesse corporativo acima aquilo que é de interesse público. Seja por que for, o governo do estado pode contar com o apoio instrumental do governo federal”, disse Cardozo à rádio CBN.

ANA CAMPOS

Fonte: Hora do Povo

Carteirinha da UMES

 

Doc Estudante 2019 UMES fte Alta Cartaz
 

 

Informações

 

CPCUmesFilmes Logo fundo branco

 

 

 

Parceiros 

sptrans

 

  

casa mestre ananias

 

 

 

Fique bem informado

 

hp

 

 

icone-apeoesp

 

 

icone-campanha-educacao

  

  

cropped-capasitecomite-1

Comitê de Luta pela 
Educação Sem Censura

 

   

portal do bixiga

 

 

logo anpof2

Associação Nacional de

Pós-Graduação em Filosofia

 

pornoimpala.info pornopingvin.com
Yurtdışı Eğitim Makedonya Avrupa Üniversitesi Makedonya Eğitim Saraybosna Üniversitesi Saraybosna Üniversitesi Saraybosna Üniversitesi Saraybosna Üniversitesi Saraybosna Üniversitesi Bosna Hersek Üniversiteleri Bosna Hersek Üniversiteleri Bosna Hersek Üniversiteleri Bosna Hersek Üniversiteleri Bosna Hersek Üniversiteleri Travnik Üniversitesi Travnik Üniversitesi Travnik Üniversitesi Saraybosna Üniversiteleri Makedonya Üniversiteleri Struga Üniversitesi Kiril Metodi Üniversitesi Bulgaristanda Eğitim Bulgaristanda Eğitim Bulgaristan Üniversiteleri Bulgaristan Üniversitesi Bulgaristan Üniversiteleri Ukrayna Üniversiteleri Ukrayna Üniversiteleri Ukraynada Üniversite Ukrayna Üniversiteleri Malta Dil Okulları Gürcistan üniversiteleri Gürcistan Eğitim Malta Dil Okulu Malta Nerede ingiltere Dil Okulları ESE Malta Dil Okulu Лазерна Епилация Пловдив Лазерна Епилация Пловдив Лазерна Епилация Пловдив Лазерна Епилация Пловдив