facebook INSTA

Reitoria da USP dá início ao corte de três mil funcionários

Com PDV, Zago quer enfrentar crise financeira com arrocho, ao invés de exigir a ampliação do orçamento

 

A reitoria da Universidade de São Paulo (USP) deu início ao chamado Plano de Incentivo a Demissão Voluntária (PIDV), de servidores técnico-administrativos. Com o plano, o reitor da instituição, Marco Antonio Zago, pretende reduzir em cerca de três mil o quadro de funcionários concursados como forma de enxugar as despesas da universidade, descontando no corpo técnico da universidade, a política de arrocho dos tucanos para a Educação.

Inicialmente, o programa de demissão prevê a aposentadoria antecipada de 1,7 mil funcionários, com idade entre 55 e 67 anos. As inscrições para o PDV foram abertas na segunda-feira (17), e as rescisões ocorreram entre fevereiro e abril de 2015.

Se os funcionários aderirem ao PDV a USP pretende diminuir em 7% os gastos mensais com a folha. Para isso, a reitoria pretende gastar cerca de R$ 400 milhões com o plano.

Entre junho e setembro deste ano, a USP, em conjunto com a Unesp e a Unicamp, viveu a maior greve de sua história. Foram 116 dias de paralisação, contra as propostas de arrocho salarial, cortes do orçamento além da desvinculação do Hospital Universitário da USP (HU-USP), que transferia a gestão do principal hospital escola do país para uma fundação privada.

Os trabalhadores saíram vitoriosos da paralisação, com um reajuste de 5,2% e um abono de 28,6%, conquistados após decisão judicial, já que tanto a reitoria, quanto o governo estadual se mantiveram irredutíveis, com relação ao aumento de salário.

PISO SALARIAL

Além do PIDV, outra medida prejudica as condições da USP de manter a qualidade de ensino. Uma decisão de outubro do Supremo Tribunal Federal (STF) obrigará a USP a aplicar o teto salarial do Estado que é o salário do governador, R$ 20,662 mil mensais, com isso haverá uma redução no salário de 1.972 professores e funcionários. A redução salarial prejudica a manutenção dos professores mais qualificados na instituição, já que, estão inclusos na conta, os benefícios que os funcionários mais antigos conquistaram com o passar dos anos.

O STF determinou que devem ser incluídos no cálculo benefícios pessoais conquistados antes de 2003, quando o limite foi regulamentado por emenda à Constituição. Até a decisão de outubro, os benefícios conquistados por tempo de carreira, desempenho, títulos obtidos, acertadamente não eram considerados para o teto.

A maioria dos professores e funcionários da USP não recebe super-salários, a maioria já recebe menos que o teto salarial. Entre R$10 mil e R$15mil. É importante ressaltar que o desenvolvimento de pesquisa na principal universidade do país depende dessas pessoas. É um setor estratégico para o progresso do Estado e da Nação.

Isso já vem acontecendo na Unesp. Segundo Julio Cezar Durigan, reitor da UNESP já há docentes deixando a universidade. “Está difícil. O governador não tem interesse político em reajustar seu salário. Estamos perdendo gente muito boa”.

A questão é tão evidente que até mesmo Zago conseguiu notar. Segundo ele, as universidades federais, nas quais o teto passa de R$ 29 mil, poderão passar a receber parte dos docentes da USP. “Quando perceber que haverá limitação do teto, os jovens ficarão desestimulados a se dedicarem integralmente à USP”. “Na cidade de São Carlos, de um lado da rodovia, o teto é R$ 29 mil (UFSCar); do outro, R$ 20 mil. Faz diferença”, disse.

Outro ponto importante sobre os salários dos servidores, que comprova na verdade que não há salário de mais e sim de menos, está no caso dos médicos. O reitor Zago divulgou os salários dos médicos do Hospital Universitário com jornada de 24h semanais, como consta no contrato.

Entretanto, a reitoria da USP calunia os médicos e demais funcionários do Hospital da Universidade ao divulgar publicamente os salários como se a carga horária de médicos fosse de 24 horas semanais quando ele sabe que a carga horária mínima é de 36 horas semanais. Apesar do contrato ser de 24 horas, os funcionários do HU são obrigados a fazer hora extra de 12 horas semanais. Essa obrigatoriedade é causada pela falta de funcionários suficientes para atender uma demanda hipertrofiada.

Fonte: Hora do Povo

Carteirinha da UMES

 

Doc Estudante 2019 UMES fte Alta Cartaz
 

 

Informações

 

CPCUmesFilmes Logo fundo branco

 

 

 

Parceiros 

sptrans

 

  

casa mestre ananias

 

 

 

Fique bem informado

 

hp

 

 

icone-apeoesp

 

 

icone-campanha-educacao

  

  

cropped-capasitecomite-1

Comitê de Luta pela 
Educação Sem Censura

 

   

portal do bixiga

 

 

logo anpof2

Associação Nacional de

Pós-Graduação em Filosofia

 

pornoimpala.info pornopingvin.com
Yurtdışı Eğitim Makedonya Avrupa Üniversitesi Makedonya Eğitim Saraybosna Üniversitesi Saraybosna Üniversitesi Saraybosna Üniversitesi Saraybosna Üniversitesi Saraybosna Üniversitesi Bosna Hersek Üniversiteleri Bosna Hersek Üniversiteleri Bosna Hersek Üniversiteleri Bosna Hersek Üniversiteleri Bosna Hersek Üniversiteleri Travnik Üniversitesi Travnik Üniversitesi Travnik Üniversitesi Saraybosna Üniversiteleri Makedonya Üniversiteleri Struga Üniversitesi Kiril Metodi Üniversitesi Bulgaristanda Eğitim Bulgaristanda Eğitim Bulgaristan Üniversiteleri Bulgaristan Üniversitesi Bulgaristan Üniversiteleri Ukrayna Üniversiteleri Ukrayna Üniversiteleri Ukraynada Üniversite Ukrayna Üniversiteleri Malta Dil Okulları Gürcistan üniversiteleri Gürcistan Eğitim Malta Dil Okulu Malta Nerede ingiltere Dil Okulları ESE Malta Dil Okulu Лазерна Епилация Пловдив Лазерна Епилация Пловдив Лазерна Епилация Пловдив Лазерна Епилация Пловдив