Governo federal prioriza cortar do ensino público para transferir ao privado, afirmam trabalhadores da educação

Nesta quarta-feira (15), durante Audiência Pública no Senado, os servidores da educação denunciaram a política do governo Dilma para priorizar o setor privado da educação em detrimento do ensino público.

 

Para Rogério Marzola, coordenador da Fasubra (Federação de Sindicatos de Trabalhadores em Educação das Universidades Brasileiras), “o ensino público recebe apenas 3% do total dos investimentos orçamentários federais e, mesmo assim, é o que mais sofre com o contingenciamento de recursos”. Enquanto isso, bilhões são destinados para os pagamentos de juros da dívida pública do governo, afirma. (Apenas entre janeiro e maio foram transferidos R$ 198,9 bilhões via juros da dívida.)

 

Já Paulo Rizzo, presidente do ANDES-SN (Sindicato Nacional dos Docentes das Instituições de Ensino Superior), afirmou que “não adianta disfarçar os números. Está havendo um esforço do governo, e por parte de alguns reitores, em demonstrar que está tudo bem. Mais de 50% das vagas do ensino superior privado contam com algum subsidio estatal. E por que ainda temos a universidade pública e gratuita no país? Porque estudantes, docentes e técnicos lutaram muito nas últimas décadas na defesa da Educação Pública, que é um direito de todos e dever do Estado”, disse.

 

Em greve desde o dia 28 de maio, os trabalhadores da Educação denunciam que a única proposta do governo federal foi a de um reajuste inferior a inflação no período, totalizando 21,3%, dividido em quatro parcelas.

 

Os servidores exigem ajuste salarial acima da inflação, e também denunciam que os cortes de Dilma fizeram com que as universidades e institutos federais entrassem em uma profunda crise. Foram cortados da educação R$ 9,42 bilhões, apenas este ano. Por sua vez a rede privada possui um orçamento previsto em R$ 16 bilhões para o Fies, denúncia Roberto Leher o novo reitor da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). Em 2014 foram R$ 13,8 bilhões destinados ao Fies enquanto as federais receberam R$ 9 bilhões de 2007 a 2014.

 

A SBPC (Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência) também denunciou os cortes na educação e ciência e tecnologia como inaceitáveis. “É inadmissível aceitar cortes nos investimentos em educação e ciência e tecnologia, que são áreas estratégicas para o desenvolvimento de qualquer nação”, afirmou Helena Nader, presidente da entidade, durante a abertura da 67ª Reunião Anual da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC), realizada em São Carlos.

 

Carteirinha da UMES

 

icone-carteirinha-umes

 

icone-guia-de-descontos-umes

 

 

 

Informações

 

icone-gremio-estudantil

 

CPCUmesFilmes Logo fundo branco

 

 

 

Parceiros

 

sptrans

 

 

logo zumbi faculdade comunitaria

 

 

casa mestre ananias

 

 

 

Fique bem informado

 

hp

 

 

icone-apeoesp

 

 

icone-campanha-educacao

 

 

portal do bixiga

 

pornoimpala.info pornopingvin.com
Yurtdışı Eğitim Makedonya Avrupa Üniversitesi Makedonya Eğitim Saraybosna Üniversitesi Saraybosna Üniversitesi Saraybosna Üniversitesi Saraybosna Üniversitesi Saraybosna Üniversitesi Bosna Hersek Üniversiteleri Bosna Hersek Üniversiteleri Bosna Hersek Üniversiteleri Bosna Hersek Üniversiteleri Bosna Hersek Üniversiteleri Travnik Üniversitesi Travnik Üniversitesi Travnik Üniversitesi Saraybosna Üniversiteleri Makedonya Üniversiteleri Struga Üniversitesi Kiril Metodi Üniversitesi Bulgaristanda Eğitim Bulgaristanda Eğitim Bulgaristan Üniversiteleri Bulgaristan Üniversitesi Bulgaristan Üniversiteleri Ukrayna Üniversiteleri Ukrayna Üniversiteleri Ukraynada Üniversite Ukrayna Üniversiteleri Malta Dil Okulları Gürcistan üniversiteleri Gürcistan Eğitim Malta Dil Okulu Malta Nerede ingiltere Dil Okulları ESE Malta Dil Okulu Лазерна Епилация Пловдив Лазерна Епилация Пловдив Лазерна Епилация Пловдив Лазерна Епилация Пловдив