facebook INSTA

Anvisa ‘aparelhada’ cede à pressão dos EUA e impede importação da vacina Sputnik V

WhatsApp-Image-2020-03-15-at-16.41.15.jpeg

Jair Bolsonaro e Antônio Barra Torres, diretor-presidente da Anvisa, sem máscara, em aglomeração em frente Planalto em plena pandemia - Foto: Reprodução

  

Os desenvolvedores da Sputnik V afirmaram, nas redes sociais, que apresentaram mais dados à Anvisa do que a qualquer outra agência reguladora e pediram que a Anvisa não ceda “às pressões de outro país”

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) decidiu não permitir a importação da vacina russa Sputnik V, contra a Covid-19, já aprovada por 60 países – e com uma eficácia comprovada de 97,6%.

Os 60 países em que a Sputnik foi aprovada – 17 deles com agências reguladoras semelhantes à Anvisa – têm uma população de 3 bilhões de pessoas. A eficácia de 97,6% foi resultado da aplicação em massa da Sputnik V em 3,8 milhões de vacinados.

A conduta da Anvisa não é sem precedentes. Até mesmo a Coronavac, produzida pelo Instituto Butantan e pela empresa chinesa Sinovac, e principal vacina em uso no Brasil, somente foi aprovada pela Anvisa depois de muita pressão exercida pelo governo de São Paulo, que chegou a marcar data para o início da vacinação. Não fosse isso, seria a vitória da sabotagem de Jair Messias Bolsonaro contra o uso de vacinas.

Essa situação de protelação da aprovação de vacinas, que traz como resultado o retardo da imunização e a manutenção de um quadro dramático de explosão de casos e mortes, estava no contexto de uma campanha desenvolvida por Jair Bolsonaro contra todos os imunizantes. Ele chegou a desautorizar a compra da CoronaVac, anunciada por seu próprio ministro da Saúde. Negou-se a se vacinar e, em uma série de entrevistas, afirmou que as vacinas provocariam doenças, deformações e até mortes.

Para obter sucesso em sua campanha antivacina, Bolsonaro promoveu o aparelhamento da direção da Anvisa, órgão responsável pela aprovação de seu uso no país. Colocou em sua presidência o negacionista Antônio Barra Torres, que, em plena pandemia, participava junto com ele, sem máscara, das aglomerações realizadas semanalmente na Praça dos Três Poderes.

O resultado desse aparelhamento é que a agência “obediente” decidiu nesta segunda-feira (26) não autorizar a importação para uso emergencial da vacina russa Sputnik V, solicitada pelo governadores para enfrentar a pandemia, como resposta à sabotagem do Planalto.

O pretexto “técnico” para a decisão foi a de que o imunizante usa como vetor um adenovírus que, segundo os gerentes da agência, poderia se replicar e provocar danos às pessoas que recebessem a vacina. Em nenhum lugar do mundo esse problema foi apresentado. A tecnologia usada na Sputnik V foi elogiada por toda a comunidade científica internacional e é também é utilizada na vacina desenvolvida pela AstraZeneca em parceria com a Universidade de Oxford e a Fundação Osvaldo Cruz.

Até agora o imunizante russo já foi aprovado em 60 países – a segunda vacina mais adotada por órgãos sanitários no mundo. Diversos países latino-americanos já aprovaram o seu uso, incluindo México, Argentina, Bolívia, Venezuela e Paraguai.

A Sputnik V foi o primeiro imunizante contra o novo coronavírus a ser registrado, ainda em agosto de 2020. De acordo com resultados de estudos clínicos publicados em fevereiro na revista médica The Lancet, a Sputnik V tem eficácia de 91,6%. Posteriormente, com a aplicação em massa, constatou-se uma eficácia de 97,6%.

Mais de 15 milhões de pessoas já receberam o imunizante sem que nenhum caso de evento adverso grave tenha sido relatado, em nenhum país onde ela é utilizada. O “perigo” levantado pela Anvisa, simplesmente não existe.

É importante registrar que a vacina da AstraZeneca, que usa a mesma técnica da Sputnik V, ou seja, o uso de um vírus como vetor para carrear proteínas do coronavírus, foi aprovada pela Anvisa e, diferente da Sputnik V, apresentou alguns eventos adversos graves. A vacina da AstraZeneca chegou a ser interrompida em vários países. Isso não ocorreu com a Sputnik V.

No entanto, a Anvisa aprovou o uso da vacina da AstraZeneca no Brasil e agora nega o pedido para o uso da vacina russa. Dois pesos e duas medidas.

O questionamento, portanto, dessa maneira rasa, da segurança de uma vacina russa que publicou seus resultados positivos na exigente revista científica The Lancet, e que já vacinou mais de 15 milhões em todo o mundo, sem o registro de nenhuma ocorrência de eventos adversos, é uma decisão de caráter político, e não técnica, como declarou, em nota, o Fundo Russo de Investimentos Diretos, que administra o Instituto de Pesquisa Gamaleya, que criou e produz a Sputnik V.

A decisão da Anvisa de adiar o registro da Sputnik V pode ser motivada politicamente. Isso é confirmado pelos dados do relatório do Departamento de Saúde e Serviços Humanos dos Estados Unidos de 2020, que fala abertamente dos esforços do departamento de pressionar as autoridades brasileiras e forçá-las a recusar a compra da vacina russa“, diz o Fundo Russo de Investimentos Diretos, em sua nota.

Realmente, há algumas semanas, vieram a público documentos que mostram que o governo dos EUA iniciou, ainda durante a administração do republicano Donald Trump, pressões para que o Brasil não adquirisse a vacina Sputnik V, desenvolvida pelo prestigiado Instituto de Pesquisa Gamaleya, da Rússia.

Diante desses fatos, os desenvolvedores da Sputnik V afirmaram, nas redes sociais, que apresentaram mais dados à Anvisa do que a qualquer outra agência reguladora do mundo e pediram que a Anvisa não cedesse “às pressões de outro país”.

Na terça-feira (27/04), após a decisão da Anvisa, eles publicaram em suas redes sociais:

Os atrasos da Anvisa na aprovação do Sputnik V são, infelizmente, de natureza política e não têm nada a ver com acesso à informação ou ciência. O Departamento de Saúde dos Estados Unidos, em seu relatório anual de 2020 há vários meses declarou publicamente que o adido de saúde dos Estados Unidos ‘persuadiu o Brasil a rejeitar a vacina russa COVID-19‘”.

O Departamento de Saúde e Serviços Humanos norte-americano (HHS, na sigla em inglês) confirmou que o governo Donald Trump, antes de sua saída do governo, havia pressionado o Brasil para não comprar a vacina russa contra a Covid-19, a Sputnik V, para “deter o aumento da influência maligna” da Rússia na América Latina e no Caribe.

O HHS, o ministério da Saúde dos EUA, admitiu, em item arrolado na página 48 do relatório anual de atividades de 2020, que a vacinação com o imunizante russo seria “em detrimento da segurança nacional dos EUA”. O documento atesta que essas pressões se estenderam a Cuba e, até mesmo, à Venezuela, e que o órgão usado nessa sabotagem foi o Escritório de Adidos de Saúde, (OGA, na sigla em inglês).

A Anvisa também chegou a basear sua “opinião” quanto a capacidade produtiva e as boas práticas das fábricas russas em pareceres fornecidos pelo desinteressado CDC norte-americano e a EMA, a agência europeia de medicamentos. O primeiro, como nós já vimos acima, já se posicionou politicamente contra a aquisição pelo Brasil da vacina russa, e, a segunda, coincidentemente, é onde estão localizadas as sedes das principais “big pharmas”, monopólios que não costumam permitir nenhuma concorrência.

Os bajuladores de Bolsonaro na Anvisa, com essa decisão, uniram a submissão do órgão à campanha de sabotagem às vacinas com a subordinação à pressão política exercida pelo governo dos Estados Unidos contra a aquisição da Sputnik V pelo governo brasileiro.

Publicado no Jornal Hora do Povo

 

Carteirinha da UMES

 

Doc Estudante 2019 UMES fte Alta Cartaz
 
 

Cultura

 

CPCUmesFilmes Logo fundo branco

 

  

Parceiros 

sptrans

 

  

casa mestre ananias

  

 

Fique bem informado

 

hp

 

 logo

 

 

jornaldausp

 

icone-apeoesp

 

  

icone-campanha-educacao

 

  

 portal do bixiga 

 

 

pornoimpala.info pornopingvin.com
Yurtdışı Eğitim Makedonya Avrupa Üniversitesi Makedonya Eğitim Saraybosna Üniversitesi Saraybosna Üniversitesi Saraybosna Üniversitesi Saraybosna Üniversitesi Saraybosna Üniversitesi Bosna Hersek Üniversiteleri Bosna Hersek Üniversiteleri Bosna Hersek Üniversiteleri Bosna Hersek Üniversiteleri Bosna Hersek Üniversiteleri Travnik Üniversitesi Travnik Üniversitesi Travnik Üniversitesi Saraybosna Üniversiteleri Makedonya Üniversiteleri Struga Üniversitesi Kiril Metodi Üniversitesi Bulgaristanda Eğitim Bulgaristanda Eğitim Bulgaristan Üniversiteleri Bulgaristan Üniversitesi Bulgaristan Üniversiteleri Ukrayna Üniversiteleri Ukrayna Üniversiteleri Ukraynada Üniversite Ukrayna Üniversiteleri Malta Dil Okulları Gürcistan üniversiteleri Gürcistan Eğitim Malta Dil Okulu Malta Nerede ingiltere Dil Okulları ESE Malta Dil Okulu Лазерна Епилация Пловдив Лазерна Епилация Пловдив Лазерна Епилация Пловдив Лазерна Епилация Пловдив