facebook INSTA

Ex-ministros condenam retrocesso bolsonarista na Cultura: “Censura se combate”

APTR

 

 

A Associação de Produtores de Teatro (APTR) realizou no Galpão Gamboa, na Zona Portuária, do Rio de Janeiro, o evento “Cultura, Liberdade de Expressão e Democracia” que reuniu sete ex-ministros da Cultura de gestões de Fernando Collor a Michel Temer, políticos, artistas e produtores culturais, na segunda-feira (11), para debater liberdade de expressão e democracia no governo Bolsonaro.

O evento foi organizado depois da nomeação de Roberto Alvim para comandar a Secretaria Especial de Cultura, que foi transferida do Ministério da Cidadania para o Ministério do Turismo, na semana passada.

Os ex-ministros da pasta participaram do evento: Gilberto Gil, Francisco Weffort, Luiz Roberto Nascimento e Silva, Marta Suplicy, Ana de Hollanda, Marcelo Calero e Sérgio Sá Leitão.

O ator Marco Nanini celebrou o encontro realizado no Rio de Janeiro. “Estamos começando uma mobilização. Lutamos contra a ditadura, numa época em que a censura não era camuflada, a gente sentia na carne. Poder ver todos estes ex-ministros juntos e ouvi-los foi muito importante”, disse.

“É incrível, em novembro de 2019, nós — produtores, artistas e intelectuais — estarmos reunidos para falarmos sobre liberdade de expressão e democracia”, afirmou o organizador do evento Eduardo Barata, presidente da associação.

FRENTE AMPLA

Marta Suplicy defendeu uma frente ampla pluripartidária para o setor e parafraseou a ministra do Supremo Tribunal Federal (STF) Carmen Lúcia e afirmou que “censura a gente não debate, a gente combate”.

Segundo Marta “estão cortando o oxigênio da Cultura do nosso país”.

A ex-ministra relembra que os bolsonaristas estão criando um medo muito grande. “As pessoas começaram a temer sair nas ruas”. “É um espanto ver o filho do presidente falar em AI-5”, considerou.

Para Marta, é necessário se unir as forças contra o governo Bolsonaro. “A frente ampla é o que podemos fazer para barrar este retrocesso civilizatório que estamos vivendo”, disse.

“A ditadura caiu quando nós nos unimos, quando o que passou a imperar foi uma defesa fundamental da democracia e da livre expressão. E é isso que nós precisamos ter agora, uma união de todos, uma frente ampla de centro-esquerda onde nós possamos estar juntos”, ressaltou.

LIBERDADE

Ana de Hollanda destacou que a censura só foi extinta pela Constituição de 88. “Isso foi um grande avanço e agora estamos encarando um retrocesso que nunca tinha ocorrido na nossa história”, disse.

“Importante manter a Cultura como a expressão mais livre, espontânea e autêntica do pensamento do povo. Precisamos manter acesa a liberdade de ser, de expressar o que o povo está dizendo”.

“É claro que a cultura e a arte incomodam governos autoritários e pessoas intelectualmente limitadas que não conseguem lidar com a ironia.

A ex-ministra também condenou “essa mudança sem qualquer sentido da pasta da Cultura, que já deixou de ser ministério, e sai da Cidadania para o Turismo”.

Por fim, Ana de Hollanda alertou para a tentativa do governo de destruir o Fundo Nacional de Cultura por meio da PEC dos Fundos Públicos, enviada por Paulo Guedes ao Congresso Nacional.

Os fundos públicos especiais são alimentados por recursos vinculados a receitas específicas, como tributos e royalties. São recursos que têm direcionamentos fixos previstos por lei para diversas áreas, como saúde e educação. Na Secretaria de Cultura, por exemplo, o Fundo Nacional de Cultura fomenta diversas autarquias, como a Fundação Nacional de Artes, a Funarte.

RAZÃO

O diplomata da Academia Brasileira de Letras (ABL) Sérgio Paulo Rouanet, que foi secretário de Cultura do governo Collor — cujo nome batizou informalmente a lei brasileira de incentivos fiscais à cultura, de 1991, criticou a censura promovida por Bolsonaro. “A gente tem um pouco de vergonha, em pleno século 21, de ter que defender a razão e a cultura. Esperamos que seja uma curta escaramuça contra o obscurantismo. Nós temos que acreditar em muitas coisas, entre elas, no progresso da razão”, disse.

Rouanet citou frase atribuída a Voltaire e foi aplaudido de pé. “Posso não concordar com nenhuma palavra que dizes, mas vou lutar até o fim pelo teu direito de dizê-lo”.

O presidente da Câmara dos deputados, Rodrigo Maia (DEM), participaria do evento. Ele cancelou a presença por conta da forte chuva no Rio, mas enviou um vídeo que foi exibido na abertura.

“Tenho certeza que, aqui na Câmara (dos Deputados), junto com deputados e deputadas estaremos sempre lutando pelo fortalecimento dos investimentos na área de cultura, com a certeza da importância que tem o tema. E, claro, o investimento na área de cultura é fundamental somado a nossa liberdade de expressão, que é um país que vai crescer, que quer ser próspero e a democracia precisa garantir isso para a nossa população”, disse Maia.

O deputado federal Marcelo Calero (Cidadania-RJ), ministro da Cultura no governo Temer apontou a intenção de Bolsonaro em destruir com a cultura. “É preciso entender que há hoje uma intenção deliberada de destruição da cultura. Precisamos dobrar nossa aposta para resistir, e peço para que os artistas não cedam à autocensura”, disse Celero.

Calero ganhou apoio dos demais ex-ministros para a apresentação de um projeto de decreto legislativo para revogar a medida do presidente Jair Bolsonaro. 

Gilberto Gil afirmou que grande parte da estrutura administrativa montada até pouco tempo atrás exigiu trabalho árduo e está sendo desmantelada. 

“Recusada à instituição governamental da Cultura o status de ministério, estatura e prestígio, reduzida a um lugar secundário na estrutura do governo, que ela possa estar à altura de suas responsabilidades para o país no seu sentido mais amplo e mais profundo. Queremos a consideração e o respeito às conquistas do nosso passado e uma visão mais generosa do nosso futuro”, disse Gil, sob aplausos. 

Espetáculo cancelado é encenado

Após a exibição de um vídeo com atos considerados censura na área cultural, a atriz Carolina Virguez fez uma apresentação do trecho final de “Caranguejo overdrive”. A cena faz um resumo da vida política no Brasil após a redemocratização, razão pela qual teria sido vetada da programação da mostra “CCBB — 30 anos de Cias”, em setembro.

Na plateia, estavam os atores Guilherme Weber, Camila Morgado, Bruce Gomlevsky e Maitê Proença; a diretora Bia Lessa; o cineasta Silvio Tendler, e os produtores de cinema Lucy e Luiz Carlos Barreto.

Além dos ex-ministros, integraram a mesa a deputada federal Benedita da Silva (PT-RJ, da comissão de Cultura da Câmara), o deputado estadual Eliomar Coelho (PSOL-RJ, da comissão de Cultura da Assembleia Legislativa do Rio).

 

 

Veja o debate entre os ex-ministros:

https://www.facebook.com/aovivoja/videos/979256145754511/

Carteirinha da UMES

 

Doc Estudante 2019 UMES fte Alta Cartaz
 
 

Cultura

 

CPCUmesFilmes Logo fundo branco

 

  

Parceiros 

sptrans

 

  

casa mestre ananias

  

 

Fique bem informado

 

hp

 

 logo

 

 

jornaldausp

 

 

 portal do bixiga 

 

 

pornoimpala.info pornopingvin.com
Yurtdışı Eğitim Makedonya Avrupa Üniversitesi Makedonya Eğitim Saraybosna Üniversitesi Saraybosna Üniversitesi Saraybosna Üniversitesi Saraybosna Üniversitesi Saraybosna Üniversitesi Bosna Hersek Üniversiteleri Bosna Hersek Üniversiteleri Bosna Hersek Üniversiteleri Bosna Hersek Üniversiteleri Bosna Hersek Üniversiteleri Travnik Üniversitesi Travnik Üniversitesi Travnik Üniversitesi Saraybosna Üniversiteleri Makedonya Üniversiteleri Struga Üniversitesi Kiril Metodi Üniversitesi Bulgaristanda Eğitim Bulgaristanda Eğitim Bulgaristan Üniversiteleri Bulgaristan Üniversitesi Bulgaristan Üniversiteleri Ukrayna Üniversiteleri Ukrayna Üniversiteleri Ukraynada Üniversite Ukrayna Üniversiteleri Malta Dil Okulları Gürcistan üniversiteleri Gürcistan Eğitim Malta Dil Okulu Malta Nerede ingiltere Dil Okulları ESE Malta Dil Okulu Лазерна Епилация Пловдив Лазерна Епилация Пловдив Лазерна Епилация Пловдив Лазерна Епилация Пловдив